quinta-feira, 7 de dezembro de 2017

Resenha {Livro} - Querido Diário, Eu Morri (R. L. Stine)

Depois de muitos séculos sem resenhar, hoje apresento o livro infanto-juvenil “Querido Diário, Eu Morri” de R. L. Stine. Até passar pelo Projeto Mais Leitura no Poupa Tempo do Bangu Shopping, não conhecia este autor que é considerado o Stephen King do mundo infantil. Inclusive, sua série de livros “Goosebumps”, se tornou uma série de grande sucesso nos anos 1990 (e tem a primeira temporada na Netflix).
A série de livros “A Hora do Arrepio” possui 15 livros, mas somente 11 deles estão traduzidos para o português. O livro que achei por apenas R$2,00 foi o “Querido Diário, Eu Morri” que conta a história de Alex Silve, um jovem que ama apostar com seus amigos e, num belo dia, encontra um diário um tanto quanto suspeito dentro de uma escrivaninha antiga. Ao abrir o diário, Alex nota que há uma anotação com sua letra sobre o dia seguinte. O jovem não se importa muito, mas fica precavido até que chega o dia seguinte e tudo que estava no diário ocorre. Fascinado, o menino faz apostas com seus amigos, sem revelar sobre o diário. Mas “coisas” estranhas vão acontecendo aos poucos, assuntando Alex. A obra termina de forma interessante e instigante da mesma maneira que algumas obras de King que já li. 
R. L. Stine escreve de forma leva e instigante, que não dá vontade de parar até chegar ao final e descobrir logo toda a razão dos acontecimentos estranhos. Eu li o livro em apenas um dia, pois tem apenas 139 páginas. E enquanto escrevia esta resenha, achei uma série no Youtube baseada nos livros “A Hora do Arrepio” e o episódio 10 é justamente o do livro que estamos falando. Tem algumas diferenças que não ficaram boas, mas, no geral, é bem produzido e interessante. 
Eis o link para quem quiser assistir: https://www.youtube.com/watch?v=1WrBBuaIoJY

144 páginas | 1ª edição | 2007 | Rocco




“Malfeito feito.”


sábado, 2 de dezembro de 2017

Ansel Elgort estrelará adaptação de "O pintassilgo"

Conhecido pelos personagens Augustos (Gus) Waters e Caleb Prior nas adaptações cinematográficas de A culpa é das estrelas (The fault in our stars) e Divergente (Divergent) respectivamente, o ator Ansel Elgort, que este ano ganhou notoriedade por seu papel no filme Em Ritmo de fuga (Baby driver), estrelará outra adaptação cinematográfica de um livro.
Segundo a revista Variety, Ansel encarnará Theodore (Theo) Decker, o protagonista de O pintassilgo (The Goldfinch), romance da americana Donna Tart, vencedor do prêmio Pulitzer de ficção em 2014, contando com direção de John Crowley, conhecido pelo filme Brooklyn.
Se a adaptação de O pintassilgo for tão boa quanto o livro, este será mais um filme de sucesso com a participação de Ansel.

Há ainda rumores de que o ator Ralph Fiennes, o Voldemort da série Harry Potter, poderá vir a atuar ao lado de Ansel como o mentor de seu personagem, porém nada foi confirmado.
A produção começará no início de 2018, então certamente em breve teremos maiores novidades.

Confira a seguir a sinopse do livro:
Theo Decker, um nova-iorquino de treze anos, sobrevive milagrosamente a um acidente que mata sua mãe. Abandonado pelo pai, Theo é levado pela família de um amigo rico. Desnorteado em seu novo e estranho apartamento na Park Avenue, perseguido por colegas de escola com quem não consegue se comunicar e, acima de tudo, atormentado pela ausência da mãe, Theo se apega a uma importante lembrança dela: uma pequena, misteriosa e cativante pintura que acabará por arrastá-lo ao submundo da arte. 

quinta-feira, 30 de novembro de 2017

Resenha {Livro} Menina Má (William March)

Seria a maldade ou a psicopatia algo genético? Alguém pode mesmo nascer mau ou aprende-se a ser mau com o tempo e pelo ambiente em que vive, ou seja, sendo fruto do meio?
Essas são as principais questões abordadas em Menina má, último romance, e o de maior notoriedade, de William March.

Anos 50, na cidade de Baltimore, EUA, a família Penmark acabara de fixar nova residência. Enquanto o Sr. Kenneth Penmark viajava a trabalho, viviam em seu novo endereço a esposa, Sra. Christine Penmark, e a adorável filha do casal, a pequena Rhoda Penmark, que com seu sorriso de covinha e jeito perspicaz, em seus apenas 8  anos encantava a todos a sua volta. Exceto as crianças de sua idade...
"Afinal, qual era o problema de Rhoda? Por que ela não agia como as outras meninas da sua idade? Qual era a explicação para aquele estranho comportamento antissocial? Ela pensou no passado, retrocedendo ao começo da vida da menina, esforçando-se para enxergar se falhara em educá-la ou amá-la, tentando encontrar erros que cometera [...] mas não conseguiu encontrar nada de importante."
(William March, p. 113)

Rhoda é bem diferente das outras crianças. Esperta, atenta e quieta, ela poderia muito bem passar por uma criança tímida se não fosse por sua desenvoltura na frente dos adultos. E o que ela tem em encanto por fora, tem também em egoísmo por dentro, fazendo aquilo que visa algum lucro para si. E o grande estopim se dá quando um coleguinha de classe de Rhoda morre num trágico e misterioso acidente enquanto ambos estavam num passeio da escola, ao que a menina reage normalmente enquanto qualquer criança estaria visivelmente abalada.
Contado sob o ponto de vista da mãe de Rhoda, que se vê sem saída ao descobrir a estranha “condição” de sua filha, se sente culpada por tudo que sua filha causara. E assim este suspense psicológico com ares de terror consegue prende quem o lê desde a primeira até a última página sempre fazendo indagar qual será o próximo passo de todos os personagens que permeiam a narrativa, personagens estes que como a protagonista possuem sua parcela de importância na construção da história.

O livro me surpreendeu positivamente e por isso indico ele a todos os leitores e leitoras que gostam de suspenses/thrillers, e acima de tudo, histórias bem escritas 😉
O filme baseado no romance, que recebeu o título de Tara Maldita aqui no Brasil (título horrível, mas enfim...), lançado em 1956, em preto e branco, contou com a direção de Mervyn Leroy - mesmo diretor de O mágico de Oz (1939). Apesar de ser um pouco diferente do livro, em sua maior parte está bem fiel à obra literária. Também recomendo 😉

262 páginas | 1ª edição | 2016 | DarkSide Books




terça-feira, 28 de novembro de 2017

{Caixinha de Correio} Novembro/2017

Boa tarde queridos leitores e leitoras do meu Brasil!! Como vocês estão?
Estou aos poucos voltando aos posts usuais do blog, então hoje é dia de mostrar  os livrinhos novos que chegaram pra mim este mês. Vamos lá?!
- Tiradentes Carioca: As relações dos inconfidentes mineiros com o Rio de Janeiro (André Luis Mansur e Ronaldo Morais)
Ganhei este livro do autor, o André Luis Mansur, me sinto honrada de mostra-lo aqui, pois fiz parte dele de certa forma. Sou diagramadora e capista, já trabalhei numa editora pequena que publicou os livros do André, e quando ele me chamou para trabalhar como diagramadora e capista neste livro independente que ele iria lançar este ano, fiquei mega feliz e lisonjeada e poder fazer parte disso *-* Estou lendo o livro físico agora (depois de ler o e-book) e amando (de novo ^^’) poder conhecer a história desse grande “personagem” do nosso país.
- A noiva do capitão (Tessa Dare)
Ganhei esse livro no evento de Romances de Época que teve numa livraria do meu bairro este mês. Quando o ganhei, fiquei meio chateada pois ele era o terceiro da série Castles Ever After, mas aí fui ler o prólogo e vi que dava pra ler fora da ordem; e como gostei da história logo nas primeiras páginas, não pensei duas vezes: devorei-o em alguns dias e me encantei pela história *-* A resenha dele será postada em breve aqui no blog ;)
- Como parar o tempo (Matt Haig)
Recebi esse livro em parceria com a queridíssima HarperCollins Brasil e logo assim que ele chegou, comecei a ler (muito devido ao atraso dos Correios, que atrasou também minhas leituras, mas enfim...). Amei a história diferente e bem inusitada do livro e indico a todos e todas! Inclusive já tem resenha dele aqui no blog, que pode ser lida clicando aqui.

- Os cinco do ciclo (Elias Flamel)
Por fim, porém não menos importante, esse mês também recebi um e-book e de um autor nacional de literatura fantástica (amo/sou <3). Estou lendo e gostando bastante da história e assim que possível trarei resenha dele aqui também ^_^
--------------------------------------------------
Este foi mais um mês super positivo para meu vício literário, com livros recebidos que eu tive o prazer enorme em ler e recomendar a outros leitores.

sábado, 25 de novembro de 2017

{Lançamento} Ordem Vermelha, por Felipe Castilho

Em dezembro, os leitores vão conhecer Untherak, a última região habitada do mundo. Nela, a deusa Una reina soberana, lembrando a todos a missão maior de suas vidas: servir a Ela sem questionamentos. No entanto, um pequeno grupo de rebeldes, liderado por uma figura misteriosa, está disposto a tudo para tirá-la do trono, desvendar os segredos do lugar e se preparar para a possibilidade de um futuro totalmente desconhecido. Se uma deusa cai, o que vem depois?

Ordem Vermelha: Filhos da Degradação é o livro que inicia a jornada de quatro improváveis heróis lutando pela liberdade de um povo. Um épico sobre resistir à opressão, lutar contra o status quo e construir bravamente o próprio destino. É a porta de entrada para um novo mundo, com inspirações de fantasia medieval, personagens marcantes e uma narrativa que salta das páginas a cada vila, ruela e beco de Untherak.

Primeiro livro de fantasia que a Intrínseca lança em parceria com a CCXP – Comic Con Experience –, escrito por Felipe Castilho em cocriação com Rodrigo Bastos Didier e Victor Hugo Sousa, será lançado em 7 de dezembro, durante a CCXP, e já está em pré-venda.

As seis faces da deusa Una
Observam você aonde quer que você vá.
Às vésperas de mais um Festival da Morte,
Chegou a hora de retribuir esse olhar.
Bem de perto.