segunda-feira, 15 de setembro de 2014

Resenha {Livro} - Cidades de Papel (John Green)


A história começa anos antes do enredo principal mostrando os amigos Quentin e Margo. Num dia, enquanto os amigos (ainda crianças) brincavam, encontraram um cara morto no parque, o que assustou Quentin e deixou Margo impressionada. Desde então, a vida dos dois mudou completamente.
Alguns anos passaram. Quentin, agora cursando o último ano do colegial, já não tem tanto contato com Margo quanto tinha quando criança. Tornara-se um "garoto comum sem nada de especial" (o que ele mesmo imagina), e espera, com seus dois melhores amigos, Ben e Radar, pelo fim do colegial e início da faculdade.


"[...] nada importava de verdade, nem as coisas boas, nem as ruins. Estávamos mandando agradavelmente bem."
(John Green, p.26)

Com o baile de formatura se aproximando, Radar e Ben achavam-se ocupados e preocupados (principalmente Ben, que não tinha um par para ir ao baile). Quanto a Quentin, conhecido pelos amigos como "Q", não queria participar do baile, já que a única pessoa que ele gostaria de levar ao baile era sua amiga de infância Margo, que havia se afastado dele.
Q tinha certo fascínio por Margo, pela pessoa que ela aparentava ter se tornado. A menina tinha fama de ter feito e fazer coisas incríveis, sendo portanto bastante popular na escola. Assim, Q não conseguia se aproximar dela, até mesmo por medo da reação dela.
Num dia, comum como qualquer outro, Q estava em seu quarto sem fazer nada quando o inesperado aconteceu: Margo foi procurá-lo.

"[...] E assim, o cinco de maio poderia ter sido um outro dia qualquer - até pouco antes da meia-noite, quando Margo Roth Spiegelman abriu a janela sem tela do meu quarto pela primeira vez desde que me mandara fechá-la nove anos antes."
(John Green, p.32)


Q acabou embarcando na viagem (literalmente) de Margo, uma aventura que mudaria sua vida e seu modo de pensar para sempre..
No dia seguinte, já na escola, Q notou que Margo não havia ido à escola naquele dia. E àquele dia, seguiram-se outros sem a presença de Margo. Sem notícias nem as "famosas" pistas de Margo para os pais (coisa que, segundo a mãe dela, era comum quando ela fugia), Q ficou cada vez mais preocupado. Até que, enquanto estava em seu quarto, Q viu algo incomum no quarto de Margo (que ele podia ver por sua janela); assim, ele pensou que ela havia deixado pistas para ele e que ele tinha de encontrá-la.
A partir de então, Q, Ben e Radar partiram em busca de novas pistas que Margo havia deixado, o que muitas das vezes era inconclusiva, colocando à prova a amizade dos três amigos.
Fanart do trio de amigos Quentin (Q), Radar e Ben.

O livro é dividido em três partes (Os fios, A relva e O navio), que definem o desenvolvimento da história.

Quando li esse livro, esperava algo no estilo A culpa é das estrelas e O teorema Katherine, dois livros do autor que eu já havia lido. E foi exatamente o que aconteceu... até os momentos finais (por isso a classificação do livro). A história em si é muito boa, todo seu desenvolvimento, o desfecho bem ao "estilo" de Green (pelo menos com relação aos livros que eu li): sutil e com gosto de "quero mais". Em fim, eu esperava o "mais". Não que eu não tenha gostado do final, mas achei que faltou algo (desculpe tio Green). Gostei do livro, a história é envolvente, mas com certeza esse não será meu livro favorito do autor. Claro, não deixarei de ler as outras obras dele (Will & Will e Deixe a neve cair estão na minha lista de espera ^^) nem deixarei de recomendar a leitura desse livro. Só um conselho à quem nunca leu os livros dele: não comece por esse. Leia primeiro A culpa é das estrelas (e assista ao filme, está lindo *-*), O teorema Katherine ou Quem é você, Alasca?; ai sim você lê esse.

366 páginas | 1° edição | 2013 | Intrínseca



4 comentários:

  1. Pense num autor pra eu ter implicância, rs! Li todos os livros do Green, exceto Deixe a neve cair e Will & Will, e o melhor é ACEDE, definitivamente. O que curti em Paper Towns foi a Margo, por ser tão complexada e ter reflexões sobre como as pessoas vivem a vida atualmente totalmente válidas. Quanto ao desenvolvimento do livro, achei lento e chato, e o final foi bem (?).

    Clara
    @clarabsantos
    clarabeatrizsantos.blogspot.com

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Também gostei da personagem (apesar dela ser bem louquinha XD) mas o final... sei lá :S Estou louca para ler "Will e Will" e "Deixe a neve cair" *-* (estão na estante mas cadê tempo de ler? :S).
      Obrigada pela visita.

      Excluir
  2. Olá, tudo bem?

    Eu simplesmente adorei Cidades de Papel. Achei a história genial e o modo como o Green conduziu a trama me conquistou. Só não é melhor que Quem é Você Alasca? Beijos!

    http://euvivolendo.blogspot.com.br/

    ResponderExcluir
  3. Oi Isabelle;
    Bom, infelizmente esse foi o primeiro livro que eu li dele. Gostei muito da primeira e da última parte do livro, mas achei a segunda um tanto quanto parada e a obsessão de Q por Margo às vezes me incomodava também. Infelizmente o livro não aconteceu pra mim. Não me identifiquei.

    Penso em ler outros livros dele, mas vou procurar um que não tenha ninguém doente ou morrendo. Não gosto desse tipo de história.

    Beijussss;
    https://www.facebook.com/BlogMenteHipercriativa
    http://hipercriativa.blogspot.com.br/

    ResponderExcluir