quinta-feira, 17 de março de 2016

Resenha {Livro} - Half Bad e Half Lies (Sally Green)

Bruxos e félixes (não-bruxos) vivem em perfeita harmonia. Porém bruxos e bruxos não convivem tão bem assim. Com essa premissa, entramos na história de Half Bad, cujo mundo dos bruxos é divido em dois grupos: o dos bruxos das Sombras e o dos bruxos da Luz. Ambos os grupos não se relacionam, ou pelo menos não deveriam se relacionar, e de uma relação entre um bruxo das Sombras e uma bruxa da Luz nasce Nathan, nosso protagonista. Como filho de um bruxo das Sombras nascido na comunidade de bruxos da Luz, Nathan sofre desde seu nascimento com o preconceito por ser "meio-sombras-meio-luz", sendo assim considerado um perigo para aqueles que o cercam.
Até que complete dezessete anos, idade em que os bruxos (até então, brux - bruxos jovens) tornam-se bruxos de fato, Nathan tem que viver confinado em sua casa, sem ter contato com outros bruxos que não seus familiares, para que só então receba sua "designação": se é um bruxo das Sombras ou um bruxo da Luz. E como vive na comunidade da Luz, tudo o que conhece é que os bruxos da Luz são os "mocinhos", o lado do bem, e os bruxos das Sombras são os "bandidos", o lado do mal.

"[...] É o modo como pensa e age que mostra quem você é. Você não é mau, Nathan. Nada em você é mau. Vai ter um dom  poderoso, todos podemos ver isso, mas é como vai usá-lo que vai mostrar se você é mau ou bom."
(Sally Green, p. 93)

Porém, com o passar do tempo, Nathan e os demais descobrirão que não é bem assim que divide-se o bem e o mal, da mesma forma que nós, leitores, iremos descobrir como funciona essa sociedade bruxa ao longo da narrativa.

Half Bad foi uma surpresa muito boa. Peguei-o para ler sem muitas expectativas, fiquei com receio de que não fosse gostar pelas opiniões que vi de outras pessoas que leram e mesmo pelo modo como a narrativa é desenvolvida, que foge completamente do que eu estava acostumada dos livros do gênero. Mas, como a boa fantasia e aventura que é, o livro não deixou a desejar em momento algum e logo me vi encantada pela história, querendo descobrir cada vez mais sobre a trama. Os personagens são um ponto forte nesse livro: verdadeiros divisores de águas! Alguns eu amei muito; outros, odiei com todas as minhas forças! E o modo como o livro é narrado, que no começo "assusta" um pouco, logo me deixou familiarizada com a leitura.
Quando terminei de ler, tudo que eu queria era ler a continuação, Half Wild, lançada no ano passado pela editora Intrínseca; porém, como não tenho esse livro ainda (chora :S), tive que me contentar em ler o spin-off da trilogia, Half Lies, disponível em ebook, que vocês conferem a resenha a seguir. 

301 páginas | 1° edição | 2014 | Intrínseca





Diferentemente de Half Bad, Half Lies não foca no personagem Nathan (na verdade, ele nem é mencionado). O conto, spin-off da trilogia, mostra a história de Michele e seu irmão Gabriel (este, personagem importante em Half Bad), ambos bruxos das Sombras, que após a morte da mãe e da avó, vão viver com o pai em Orlando.
No livro, conhecemos a rotina dos irmãos através de um diário mantido por Michele, que aguarda o dia que deixará de ser brux para se tornar uma verdadeira bruxa e descobrir seu dom. E através desse diário, conhecemos, além de um pouco da vida dos irmãos, mais sobre o mundo bruxo, sobre a divisão entre bruxos das Sombras e bruxos da Luz.

"A comunidade de bruxos das Sombras nesta parte da Flórida aparentemente tem poucos indivíduos, embora o território seja vasto, abrangendo cidadezinhas e grades áreas rurais. Os bruxos da Luz ficam nas áreas urbanas - a principal delas sendo Tampa -, e a comunidade deles é muito maior. Skylar disse que os bruxos das Sombras se mantém nas próprias "terras históricas", e os bruxos da Luz, nas deles."
(Sally Green, p. 25)

Sendo narrado como diário da Michele, vemos o que a personagem está passando após a trágica perda da mãe, a ausência do pai e do irmão - que agora vive em situações perigosas - e a ansiedade em se tornar uma bruxa, bem como seus "dramas adolescentes", envolvendo um romance praticamente impossível e pessoas que ela não sabe se são amigos ou não.

Half Lies foi outra surpresa boa; até ler a sinopse, eu pensei que se tratava do terceiro livro da trilogia; e qual não foi minha surpresa quando descobri que era um conto no mesmo universo só que com personagens diferentes do protagonista?! E ainda com um personagem que eu gostei muito em Half Bad (Gabriel <3), então foi fantástico descobrir que era sobre ele e a família.

95 páginas | 1° edição | 2015 | Intrínseca




----------------------------------------

Esses sem dúvida foram livros incríveis que eu tive a oportunidade de ler esse ano, e não vejo a hora de ler o segundo livro da trilogia, Half Wild. Leiam ambos também e se encantem por essa história!



Nenhum comentário:

Postar um comentário