segunda-feira, 26 de setembro de 2016

Resenha {Livro} O Hobbit (J.R.R. Tolkien)

Bom dia queridos leitores e leitoras do meu Brasil! Como vocês estão? Espero que bem ^^
Hoje vou falar de uma das leituras que fiz este mês e que, acredito eu, muitos já devem conhecer: O Hobbit, do grande mestre da literatura fantástica J.R.R. Tolkien.

Falar de uma obra de Tolkien é uma tarefa e tanto! Não é das mais fáceis, mas também não é impossível, e como eu tive de reler este ano para o clube do livro deste mês – após ter lido pela primeira vez a quase cinco anos – o livro que dá origem à grande saga do anel conhecida em Senhor dos Anéis, resolvi que resenharia este livro para vocês.
A história começa apresentando quem são os hobbits – esses que dão título ao livro –, seres estes que fazem parte da “mitologia” criada por Tolkien e que convivem neste mundo fantásticos com anões, elfos, magos, orcs e etc.

“Numa toca no chão vivia um hobbit. Não uma toca desagradável, suja e úmida, cheia de restos de minhocas e com cheiro de lodo; tampouco uma toca seca, vazia e arenosa, sem nada em que sentar ou o que comer: era a toca de um hobbit, e isso quer dizer conforto.”
(Tolkien, p. 1)

Logo em seguida conhecemos Bilbo Bolseiro, o protagonista da história, um hobbit bastante pacato, que gosta de viver no conforto de seu lar – como todo bom e velho hobbit gosta – e não é muito chegado a grandes aventuras e emoções.
Eis que num dia comum Bilbo recebe a visita de Gandalf, um enigmático mago que já atraíra a atenção dos hobbits ao usar seus fogos de artifício e soprar anéis de fumaça incomuns.
Após uma longa conversa com o mago, Bilbo se recolhe mais uma vez à sua toca e lá aguarda até o dia seguinte, quando receberia a visita de Gandalf mais uma vez para tomar chá; e chegando o dia seguinte, esperando ser Gandalf quem está a sua porta, Bilbo recebe uma visita ainda mais inusitada que a anterior: um anão que se apresenta como Dwalin. Logo após ele, outros tantos anões batem à sua porta - Balin, Kili, Fili, Dori, Nori, Ori, Oin, Gloin, Bifur, Bofur, Bombur e Thorin, totalizando treze anões numa inesperada visita à casa do pobre hobbit, que não estava entendendo nada daquilo. Por fim finalmente Gandalf aparece sem dar explicações a Bilbo, juntando-se aos anões para discutir com estes sua missão: a recuperação de seu ouro das garras do dragão Smaug.
Agora, onde Bilbo entra neste história? Ele será ninguém mais ninguém menos que o ladrão dos anões, aquele que os ajudará a recuperar seu ouro – nem que para isto precise roubá-lo de um dragão.

“- Sem dúvida, foi isso que trouxe o dragão. Dragões roubam joias e ouro, você sabe, dos homens, dos elfos e dos anões, onde quer que possam encontra-los; e guardam o que roubam durante toda a sua vida [...] ” 
(Tolkien, p. 22)

Ainda em choque com os recentes acontecimentos, Bilbo aceita o “trabalho” proposto pelos anões, que sem saber que Bilbo não é de fato um ladrão como Galdalf diz ser, prometem-lhe uma boa parte de seu tesouro quando o recuperarem. Então, com tudo já definido, os treze anões e o hobbit Bilbo partirão no dia seguinte rumo à montanha onde o dragão esconde todo o ouro dos anões. E a partir daí Bilbo descobrirá que jamais voltará a ser o mesmo hobbit tranquilo e sossegado que fora outrora.
A partir deste ponto não falarei mais sobre o livro para não estragar a surpresa dos que ainda forem ler esta história – pois se eu fosse contar a jornada dos anões e do hobbit certamente sairia algum spoiler e essa com certeza não é minha intenção. Mas já adianto que é uma história sensacional que deve ser lida por todos aqueles que gostam das boas histórias de aventuras. E embora a leitura seja um tanto cansativa às vezes, com suas descrições extremamente detalhadas de cenários e personagens – característica não só do autor, mas também da época em que fora escrita –, é algo delicioso de se ler.
Leia também e se encante pelas aventuras de Bilbo e cia. numa jornada rumo ao desconhecido repleta de aventuras, perigos e emoções.

297 páginas | 3° Edição | 2009 | WMF Martins Fontes




2 comentários:

  1. Pra ser sincera com você, O Hobbit é um daqueles livros que quase todo mundo sabe mais ou menos sobre o que é, mas que como eu, nunca realmente leu a sinopse ou uma resenha. Já assisti o segundo filme do Hobbit mas nunca li nenhum livro por falta de interesse mesmo, mas acho que na verdade vale dar uma olhada sim, aparenta ser uma boa aventura.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Nossa, uma pena, já que é uma história maravilhosa.
      Se possível, leia sim. É muito bom - como os filmes, onde fizeram um excelente trabalho de adaptação *-*

      Excluir