quinta-feira, 18 de maio de 2017

Resenha {Livro} - Única filha (Anna Snoekstra)

Livro cedido pela editora HarperCollins Brasil e pela escritora Frini Georgakopoulos para resenha 

Romance de estreia da escritora australiana Anna Snoekstra, Única filha narra a história de Rebecca (Bec) Winter, uma adolescente que fora sequestrada em 2003 e 11 anos depois reaparecera repentinamente. Mas esta não é a verdadeira Bec... Para não ir à prisão, outra jovem bastante parecida fisicamente e que em numa idade aproximada da que desaparecida teria agora, declara ser Bec, indo então parar na casa da garota fazendo se passar por ela.

“- Meu nome é Rebecca Winter. Onze anos atrás, eu fui sequestrada.”
(Anna Snoekstra, p.7)

Porém as coisas não serão tão fáceis quanto ela imaginava. Apesar da família e de Rebecca acreditar nela, a polícia deverá continuar realizando as investigações para descobrir a identidade do sequestrador da jovem, o que poderá colocar os planos da impostora em risco. Além disso, a “nova Bec” sente que há algo de errado ao seu redor, achando que alguém a está seguindo e que este alguém é provavelmente  a mesma pessoa que levara Rebecca mais de uma década atrás.

Alternando a narrativa entre a verdadeira Rebecca dias antes de ser dada como desaparecida em 2003 e o presente (2014, na narrativa) com a suposta Rebecca de volta a seu lar, a trama prende o leitor de tal forma que logo ao terminar um capítulo já dá vontade de ler outro e mais outro para descobrir o que está por vir, uma vez que os “tempos” são intercalados entre os capítulos (uma sacada bem legal da autora, em minha opinião).

Sem dúvida este e um thriller/suspense que irá agradar aos leitores dos gêneros por conter as características mais marcantes deste tipo de história, como as reviravoltas e situações inesperadas até os últimos momentos. E se você, como eu, gosta de ler o livro antes de assistir ao filme, aproveite para ler logo, pois os direitos da história já foram vendidos para o cinema (porém sem previsão de estreia por enquanto). Portanto, leitura mais do que recomendada!

252 páginas | 1ª edição | 2017 | HarperCollins Brasil






terça-feira, 16 de maio de 2017

Resenha {Livro} - As mentiras de Locke Lamora (Scott Lynch)

Ganhei esse livro da minha amiga e resenhista aqui do blog (obrigada, Nessa ) no ano passado e logo o coloquei nas metas de leitura deste ano porque queria ler mais livros do gênero fantasia e aventura. E minha nossa, que aventura!!!

Em As mentiras de Locke Lamora, primeiro livro da série Nobres Vigaristas e romance de estreia do escritor americano Scott Lynch, somos apresentados ao jovem Locke e seus amigos e “parceiros de golpes”: Calo e Galdo Sanza, Jean e Pulga, integrantes do grupo dos Nobres Vigaristas.

"- Ou seja, nós somos os ladrões dos ladrões e fingimos ser ladrões que trabalham para um ladrão para outros ladrões - disse Pulga."
(Scott Lynch, p. 40)

A história começa apresentando o protagonista (Locke) ainda criança, um dos órfãos treinados pelo Aliciador para realizar pequenos furtos na cidade. O único problema era que Locke não era como as outras crianças e adolescentes “criados” pelo Aliciador, que se contentavam em roubar apenas o que lhes era designado: ele criava golpes astutos mirabolantes, apesar da pouca idade, e roubava até os oficiais, o que certamente causaria problemas futuros para o Aliciador. Assim, o homem decide entregar o menino ao Padre Correntes, que vendo seu potencial, decide integra-lo ao seu grupo de Nobres Vigaristas, ensinando-o não apenas a realizar grandes golpes, mas também a se comportar como um nobre ou um estudioso de Camorr, cidade onde se passa a trama.

"- Porque algum dia, Locke Lamora, você vai jantar com barões, condes e duques. Vai jantar com mercadores, almirantes, generais e damas de todo tipo! E quando isso acontecer... - Correntes segurou com dois dedos o queixo de Locke e inclinou a cabeça do menino até seus olhos se encontrarem - os pobres idiotas não farão a menor ideia de que na verdade estão comendo com um ladrão."
(Scott Lynch, p. 90)

Passada parte da infância dele, temos então um Locke já adulto junto de seus amigos Jean, Calo, Galdo e Pulga, bem treinado por Correntes e agora comandando os Nobres Vigaristas, que estão prestes a realizar outro grande golpe contra Dom Salvara, um nobre de Camorr. Com uma trama bem elaborada onde o grupo se passaria por outras pessoas, praticamente atuando como atores profissionais, tudo parecia estar dando certo para Lamora e cia. Porém seus planos poderão ter problemas com a chegada do misterioso Rei Cinza à cidade, que andara ameaçando desde os nobres a Capa Barsavi, que é quem realmente comanda a cidade, política e economicamente falando, especialmente os ladrões (ou ladinos) como Locke e os outros; e é a partir deste ponto que a história toma outro rumo que não apenas o do golpe dos Nobres Vigaristas, numa trama repleta de ação e reviravoltas de tirar o fôlego fazendo com que viremos as páginas cada vez mais rápido para saber o que virá em seguida.
Fan art linda do grupo. Da esquerda para a direita: Jean, Pulga, Locke e os irmãos Calo e Galdo

No princípio achei a história um pouco arrastada, mas isso se devia à leitura que eu havia feito anteriormente, do mesmo gênero desta (fantasia e aventura), então foi culpa minha mesmo, e não da história (e agora eu descobri que não funciono com leituras seguidas no mesmo gênero).
Divagações a parte, o livro é incrível em todos os sentidos, desde a construção das personagens únicas - menção honrosa aos irmãos Sanza, sempre bem humorados - a forma da própria narrativa, que alterna entre o passado de Locke e os demais e o presente, mostrando como todos esses personagens se tornaram quem são hoje, e por fim a história em si, que tem início, meio e fim bem definidos, encerrando a aventura sem deixar pontas soltas (embora dê abertura para outras histórias que virão).

Assim sendo, recomendo muito este livro a todos que amam uma boa aventura e principalmente histórias bem escritas. E agora mal vejo a hora de poder ler o próximo livro da série, Mares de sangue, e embarcar numa nova jornada dos Nobres Vigaristas *-*

453 páginas | 1ª edição | 2014 | Arqueiro




sábado, 13 de maio de 2017

{Lançamentos do mês} - Maio de 2017


O mês de maio chega trazendo super lançamentos das nossas editoras favoritas. Então bora conferir alguns deles pra atualizar nossas grandes listas de futuras leituras?!
A árvore dos anjos (Lucinda Riley)
496 Páginas
Sinopse: Trinta anos se passaram desde que Greta deixou de morar no solar Marchmont, uma bela e majestosa residência na região rural do País de Gales. A convite de seu velho amigo David, ela decide retornar ao lugar para comemorar o Natal. Porém, devido a um acidente de carro, Greta não tem mais lembranças da época em que vivia na propriedade, assim como de boa parte de seu passado.
Durante uma caminhada pela paisagem invernal de Marchmont, ela encontra uma sepultura no bosque, e a inscrição na lápide coberta de neve se torna a fagulha que a ajudará a recuperar a memória.
Contudo, relembrar o passado também significa reviver segredos dolorosos e muito bem guardados, como o motivo para Greta ter fugido do solar, quem ela era antes do acidente e o que aconteceu com sua filha, Cheska, uma jovem de beleza angelical... mas que esconde um lado sombrio.

Confissões de um garoto tímido, nerd e (ligeiramente) apaixonado (Thalita Rebouças)
Da autora de Confissões de uma garota excluída, mal-amada e (um pouco) dramática.
304 Páginas
Sinopse: Davi está no segundo ano do ensino médio e finalmente tomou coragem para iniciar o curso de astrologia que sempre quis fazer mas nunca teve coragem de admitir, por medo de sofrer preconceitos.
Entre signos e mapas astrais, conhece Milena, uma menina incrível, que o deixa encantado com seu jeito apaixonante. Tetê, melhor amiga de Davi, o incentiva a investir no relacionamento, mas vencer a timidez é um desafio para ele. Ajudar Zeca, seu amigo que passa por problemas amorosos, também é uma dificuldade, pois Davi é inexperiente no assunto.
No final do primeiro semestre, entretanto, uma novidade causa um rebuliço na turma: Samantha, colega de classe do trio, apresenta Gonçalo, que mora em Portugal e veio passar as férias de verão europeu na casa dela, no Rio de Janeiro.
A chegada do estrangeiro tem efeitos inesperados, e Davi e seus amigos passam a lidar com questões que nunca imaginaram ter que enfrentar.

Onze leis a cumprimir na hora de seduzir (Sarah MacLean)
336 Páginas
Terceiro livro da série Os números do amor.
Sinopse: Juliana Fiori é uma jovem ousada e impulsiva, que fala o que pensa, não faz a menor questão de ter a aprovação dos outros e, se necessário, é capaz de desferir um soco com notável precisão. Sozinha após a morte do pai, ela precisa deixar a Itália para viver com seus meios-irmãos na Inglaterra.
Ao desembarcar no novo país, sua natureza escandalosa e sua beleza estonteante fazem dela o tema favorito das fofocas da aristocracia. Pelo bem de sua recém-descoberta família britânica, Juliana se esforça para domar seu temperamento e evitar qualquer deslize que comprometa o clã. Até conhecer Simon Pearson, o magnífico duque de Leighton.
O poderoso nobre não admite nenhum tipo de escândalo e defende o título e a reputação da família com unhas e dentes. Sua arrogância acaba despertando em Juliana uma irresistível vontade de desafiá-lo e ela decide provar a ele que qualquer um – até mesmo um duque aparentemente imperturbável – pode ser levado a desobedecer as regras sociais em nome da paixão.
As tumbas de Atuan (Ursula K. Le Guin)
160 Páginas
Segundo livro da série Ciclo de Terramar (confira a resenha do primeiro livro, O feiticeiro de Terramar)
Sinopse: Quando Tenar é escolhida como suma sacerdotisa, tudo lhe é tirado: casa, família e até o nome. Com apenas 6 anos, ela passa a se chamar Arha e se torna guardiã das tenebrosas Tumbas de Atuan, um lugar sagrado para a obscura seita dos Inominados.
Já adolescente, quando está aprendendo os caminhos do labirinto subterrâneo que é seu domínio, ela se depara com Ged, um mago que veio roubar um dos maiores tesouros das Tumbas: o Anel de Erreth-Akbe.
Um homem que traz a luz para aquele local de eternas trevas, ele é um herege que não tem direito a misericórdia.
Porém, sua magia e sua simplicidade começam a abrir os olhos de Arha para uma realidade que ela nunca fora levada a perceber e agora lhe resta decidir que fim terá seu prisioneiro.

Outlander - A cruz de fogo: parte 2 (Diana Gabaldon)
592 Páginas
Livro 5, parte 2 da série Outlander.
Sinopse: Uma história sobre lealdade.
Não há mais como escapar: a guerra está diante de Jamie, Claire e sua família. Quando as tensões entre o governo e os rebeldes se acirram, a milícia é convocada mais uma vez e o conflito chega ao clímax na Batalha de Alamance.
De volta ao vilarejo onde moram, os Frasers e os MacKenzies ainda terão que enfrentar diversas tribulações, que acabarão aproximando Jamie e seu genro, Roger. Os dois tramam um plano para acabar com Stephen Bonnet, o sórdido capitão que violentara Brianna, pondo em dúvida a paternidade de seu filho, Jemmy.
Em meio a várias revelações, o mais surpreendente é o retorno inesperado de um conhecido, que traz uma pista capaz de desvendar os mistérios que cercam os viajantes do tempo.
A profecia das sombras (Rick Riordan)
336 Páginas
Segundo livro da série As provações de Apolo.
Sinopse: Não basta ter perdido os poderes divinos e ter sido enviado para a terra na forma de um adolescente espinhento, rechonchudo e desajeitado. Não basta ter sido humilhado e ter virado servo de uma semideusa maltrapilha e desbocada. Nããão. Para voltar ao Olimpo, Apolo terá que passar por algumas provações. A primeira já foi: livrar o oráculo do Bosque de Dodona das garras de Nero, um dos membros do triunvirato do mal que planeja destruir todos os oráculos existentes para controlar o futuro.
Em sua mais nova missão, o ex-deus do Sol, da música, da poesia e da paquera precisa localizar e libertar o próximo oráculo da lista: uma caverna assustadora que pode ajudar Apolo a recuperar sua divindade - isso se não matá-lo ou deixá-lo completamente louco.
Para piorar ainda mais a história, entra em cena um imperador romano fascinado por espetáculos cruéis e sanguinários, um vilão que até Nero teme e que Apolo conhece muito bem. Bem demais.
Nessa nova aventura eletrizante, hilária e recheada de péssimos haicais, o ex-imortal contará com a ajuda de Leo Valdez e de alguns aliados inesperados - alguns velhos conhecidos, outros nem tanto, mas todos com a mesma certeza: é impossível não amar Apolo.

Agora e para sempre (Jenny Han)
304 Páginas
Terceiro livro da série Para todos os garotos que já amei.
Sinopse: Em Para todos os garotos que já amei, as cartas mais secretas de Lara Jean - aquelas em que se declara às suas paixonites platônicas para conseguir superá-las - foram enviadas aos destinatários sem explicação, e em P.S.: Ainda amo você Lara Jean descobriu os altos e baixos de estar em um relacionamento que não é de faz de conta.
Na surpreendente e emocionante conclusão da série, o último ano de Lara Jean no colégio não podia estar melhor: ela está apaixonadíssima pelo namorado, Peter; seu pai vai se casar em breve com a vizinha, a sra. Rothschild; e sua irmã mais velha, Margot, vai passar o verão em casa. Mas, por mais que esteja se divertindo muito - organizando o casamento do pai e fazendo planos para os passeios de turma e para o baile de formatura -, Lara Jean não pode ignorar as grandes decisões que precisa tomar, e a principal delas envolve a universidade na qual vai estudar. A menina viu Margot passar pelos mesmos questionamentos, e agora é ela quem precisa decidir se vai deixar sua família - e, quem sabe, o amor de sua vida - para trás.
Quando o coração e a razão apontam para direções diferentes, qual deles se deve ouvir?

Deixei você ir (Clare Mackintosh)
368 Páginas
Sinopse: Quando Jacob morre atropelado em uma rua de Bristol, Inglaterra, depois de ter soltado a mão da mãe em um dia chuvoso, o motorista do carro que o atinge acelera a foge. Desvendar sua morte vira um caso para o detetive Ray Stevens e seus colegas, Kate e Stumpy. Determinado a encontrar o assassino, Ray se vê consumido a ponto de colocar tanto a vida profissional quanto a pessoal em jogo.
Jenna, assombrada pela morte do menino, abandona tudo e se muda para uma pequena cidade costeira do País de Gales. Ela passa os dias em seu chalé tentando esquecer as lembranças do terrível acidente e aos poucos começa a ter algo parecido com uma vida normal e vislumbrar a felicidade em seu futuro. Mas o passado vai alcançá-la, e as consequências serão devastadoras.
De vários pontos de vista, a ex-detetive Mackintosh faz um retrato preciso de uma investigação policial. Com sua excelente habilidade de escrita, consegue criar personagens memoráveis e uma análise arrebatadora das excentricidades da vida em uma cidade pequena. Mas o verdadeiro talento da autora é a maneira como ela incorpora reviravoltas em uma trama já complexa. Mesclando suspense, investigação policial e thriller psicológico, Clare Mackintosh disseca a mente de seus personagens enquanto tece inesperadas conexões entre eles.
O bom do amor (Chris Melo e Laís Soares)
Quadrinhos/HQ
Sinopse: As grandes manifestações de amor diárias, camufladas por pequenos gestos, são a essência do livro O bom do amor. A coletânea de tirinhas, que mostra a cumplicidade cotidiana e o companheirismo de um casal, nasceu de uma websérie publicada duas vezes por semana nas redes sociais pela editora Rocco. O texto é de Chris Melo, autora de romances de sucesso entre o público feminino, como Sob a luz dos seus olhos e Sob um milhão de estrelas. Os traços delicados e harmoniosos das ilustrações são de Laís Soares. O livro é lançado através do Fábrica231, selo de entretenimento da editora Rocco, e é uma excelente opção de presente para o Dia dos Namorados.
O bom do amor mostra, acima de tudo, que o relacionamento a dois pode ser descomplicado. Afinal, o segredo está em olhar juntos na mesma direção e prestar a atenção nos pequenos detalhes que tantas vezes passam despercebidos. “É aumentar o volume do rádio quando a música preferida do outro toca.” “É gostar de dormir agarradinho no inverno e saber dividir o ventilador no verão.” “É apreciar cada qualidade, mesmo rodeada de defeitos.” “É matar a saudade com beijos estalados e abraços no silêncio.” “É conversar com os olhos.” Até discutir a relação, a famosa DR, que pode trazer uma baita de uma dor de cabeça para o casal, também pode ser transformadora para que ambos sigam em paz juntos.
A cada página, as aquarelas delicadas de Laís Soares e a sensibilidade de Chris Melo comprovam não só que o amor e a felicidade estão nos pequenos detalhes e prazeres do cotidiano. São também uma construção diária. O bom do amor não oferece conselhos, mas abre os olhos daqueles que esqueceram que a simplicidade e o companheirismo são o combustível da boa relação e reforça aos apaixonados de plantão que, afinal, o bom do amor mesmo é poder estar junto de quem se ama.

Minha mãe fazia (Ana Holanda)
240 páginas
Jornalista com passagem pelas principais redações de revistas do país, Ana Holanda sempre viu a comida não só como alimento para o corpo, mas para a alma. Afinal, quantas histórias, confidências, causos de família e momentos marcantes vivemos em torno de uma mesa posta, ao lado de familiares e amigos, ou mesmo durante o preparo das refeições, em meio à movimentação da cozinha? Em Minha mãe fazia, Ana reúne deliciosas receitas que são uma verdadeira viagem aos sabores, aromas e memórias da infância e de toda uma vida, resgatadas em crônicas igualmente saborosas.
O projeto, que nasceu no Facebook e ganha agora caprichada edição em livro, reúne receitas que Ana tirou do caderno de sua mãe, exímia cozinheira, e do seu próprio. São pratos do dia a dia, bolos, doces simples, comida sem frescura ou a pretensão de ser gourmet. “Comida pra mim tem o papel de resgatar, pelos aromas e sabores, lembranças queridas e, dessa forma, nos conectar com pessoas que fizeram parte da nossa história, mesmo quando elas não estão mais aqui.”, conta a autora, que tempera suas receitas e histórias com uma escrita afetiva que deixa o leitor com água na boca e o coração leve.
Cada família tem seu modo de preparar aquela carne de panela, um nhoque, o bolo de cenoura, a canjica, um suflê, um bolo de fubá... No livro, Ana reuniu 68 receitas que quase todo brasileiro já experimentou em casa, divididas em grupos temáticos como “Receitas tiradas da gaveta”, “Receitas para refeições em família”, “Receitas fáceis demais”, “Receitas para a lancheira”, “Receitas que favorecem a conversa ou aquietam o coração” e outros, todas precedidas por alguma história ou reflexão. Ao passar a prática receita da pizza enrolada que sua mãe fazia, por exemplo, “e que provavelmente, não tem nada nem de italiana, nem de pizza, mas a gente gosta mesmo assim”, Ana se lembra de quando andou pesquisando uma receita de ragu, um molho feito em cozimento lento e fogo baixo que “deve ter surgido num tempo em que a pressa não era essa senhora, que anda atrás da gente sempre a nos perturbar”. Afinal, conclui “cada receita conversa com seu tempo, sua origem”.
E em Minha mãe fazia, cada crônica é sempre acompanhada por uma receita capaz de evocar lembranças da infância, de nos acalentar depois de um dia difícil, ou de trazer à tona a conversa a redor de uma mesa farta, cercada de amigos. Portanto, aceite o convite. Relembre sabores há muito tempo esquecidos, lugares especiais e pessoas queridas. Sirva-se à vontade – porque tem sempre mais uma travessa no forno!

Aqui estou (Jonathan Safran Foer)
592 páginas
Sinopse: Após onze anos de espera, Jonathan Safran Foer, um dos mais aclamados nomes da literatura em língua inglesa deste século, retorna ao romance com o cáustico e exuberante Aqui estou. Assim como nos já clássicos Tudo se ilumina e Extremamente alto e incrivelmente perto, o autor apresenta uma narrativa que, partindo do doméstico, transborda universalidade a cada página. Foer capta com precisão o espírito caótico de nosso tempo em uma trama pontuada por casamentos em xeque, cidades devastadas e opiniões polarizadas. Listado como um dos melhores livros de 2016 pela crítica especializada (New York Times, Time Magazine, Times Literary Supplement), Aqui estou é uma obra impactante, engraçada e, acima de tudo, urgente.
No Antigo Testamento, antes de ser convocado por Deus a sacrificar o filho Isaac, Abraão responde de forma assertiva: “Aqui estou”. Seja lá o que Deus precise ou queira, Abraão está sempre disponível para Ele – sem condições, reservas ou necessidade de explicações. Mas, em seguida, quando Isaac se dá conta do que está prestes a acontecer e exclama “Meu pai!”, Abraão retruca: “Aqui estou, meu filho!”
Como é possível cumprir os deveres conflitantes de pai, marido e filho, esposa e mãe, jovem e adulto, judeu e cidadão do mundo? Direta ou, quase sempre, indiretamente, essa é pergunta que Jacob, Julia e seus três filhos repetem ao longo da narrativa através de mensagens eróticas trocadas em celulares secretos, identidades alternativas construídas em complexas plataformas virtuais, flertes recreativos em lojas de ferragens ou enquanto se preparam para um bar mitzvah que provavelmente jamais acontecerá e assistem pela TV à cobertura da repercussão do terrível terremoto que destruiu Israel.
Entre a farsa e a tragédia, capaz de ir do ridículo ao sublime em uma mesma frase, o autor alterna pontos de vista para se armar com ideias e emoções que afirmam e contestam conceitos de felicidade, tristeza, vida, morte, amor, intimidade, sexualidade, religião, ceticismo, tradição, tecnologia, cultura, passado, futuro, o aqui e o agora. Aqui estou é um romance sobre fragmentação (de famílias, sociedades, nações, relações políticas) e distância, mas também a história de pessoas que buscam personalidades integradas e vidas menos divididas – mesmo quando, para isso, alguma destruição seja necessária.
Para ser lido e relido por judeus e gentios, Aqui estou surge como trabalho mais completo, ambicioso, idiossincrático e, por isso mesmo, controverso de Foer. Como escreveu o crítico Dwight Garner no New York Times, “Aqui estou tem mais vida que a junção de outras centenas de livros bem-intencionados e bem resenhados”.
Os guardiões do sangue (Carter Roy)
272 páginas
Sinopse: Ronan Truelove tem 13 anos e uma vida normal. Pelo menos até o dia em que sua mãe, após buscá-lo na escola, se envolve numa perseguição em alta velocidade. Sem entender muito bem o que está acontecendo, Ronan descobre que seu pai foi sequestrado e que a mãe faz parte de uma antiga ordem, os Guardiões do Sangue, formada por espadachins responsáveis por proteger os Puros. Inspirado no conceito da Cabala de que, a cada geração, existem 36 almas nobres que mantém o equilíbrio do mundo, o romance de estreia de Carter Roy é o primeiro de uma trilogia de ação, aventura e fantasia juvenil capaz de conquistar os fãs de séries como Crônicas de Blackwell (Lobos de Loki e Corvos de Odin), Gladiador, Percy Jackson e outras.
No dia em que descobre que seu pai, tão nerd e pacato, foi sequestrado, e que sua mãe, aparentemente tão normal, é tudo menos igual às mães de seus colegas, toda a agenda de atividades extracurriculares que Ronan era obrigado a cumprir – ginástica, judô e até treinamento de sobrevivência – começa a fazer sentido. Afinal, sua família está em risco. E ele precisará estar preparado para embarcar numa aventura tão perigosa quanto emocionante, não só para garantir a própria sobrevivência, e a de seus pais, mas também para encontrar seu verdadeiro propósito.
Jurados a proteger as 36 almas puras cuja segurança e bem-estar são cruciais para impedir que a maldade domine o mundo, Os Guardiões do Sangue são os únicos capazes de saber quem são os Puros e também quando um deles morre. Logo, logo, Ronan se vê lutando ao lado da mãe contra a Curva Sinistra, um bando de malfeitores com estranhos poderes interessados em exterminar os Puros e reconstruir o mundo a seu modo, e obrigado a fazer escolhas difíceis.
Em meio a perigos de todos os tipos e ação ininterrupta, Ronan se alia a parceiros improváveis como a inteligente e determinada Greta Sustermann, de quem ele nunca fora muito próximo, e Jack Dawkins, um batedor de carteiras de senso de humor peculiar; se apaixona pela garota errada, enquanto deixa escapar a certa; desenvolve talentos que nem imaginava que possuía; mas, principalmente, descobre muito mais sobre quem ele realmente é e sua missão entre os Guardiões do Sangue.

Ivy Pocket: O segredo do diamante (Caleb Krisp)
336 páginas
Sinopse: Uma libra esterlina é tudo que restou a Ivy Pocket depois da rápida experiência como criada da condessa Carbunkle. Apesar de ter apenas 12 anos, não ter ninguém por si e de estar sozinha em Paris, a garota não se deixa abater, afinal tem a tranquilidade de uma monja budista e a esperança de uma mineira presa no fundo de uma mina. Claro que existe também a enorme chance de uma vida de muita pobreza, mas ela prefere ser otimista. Primeiro de uma trilogia que conta as peripécias de uma órfã esperta, autoconfiante e um tanto desastrada, Ivy Pocket é uma aventura juvenil repleta de humor e fantasia, perfeita para leitores de Timmy Fiasco ou  Harry Potter.
Prestes a ser expulsa do hotel em que se hospedava com a antiga patroa, Ivy recebe a ordem de ir até o apartamento do último andar. Lá encontra a enorme e gravemente doente duquesa de Trinity, que parece ter tido uma ideia brilhante: quem mais poderia levar um precioso colar de volta à Inglaterra que não uma jovem criada sem graça como aquela parada a sua frente? A duquesa não conhece todos os predicados de Ivy Pocket, mas certamente fez uma excelente escolha, pelo menos é o que pensa a jovem órfã ao receber o colar com o diamante relógio. A vida não poderia ser mais perfeita, especialmente por estar tão perto de receber 500 libras pelo serviço.
Ivy compromete-se a colocá-lo no pescoço de Matilda Butterfield no baile de comemoração dos 12 anos da amada neta da ex-amiga de juventude da duquesa de Trinity. Com o presente, a velha senhora pretende se desculpar por um erro do passado. Ivy Pocket fica lisonjeada pela nobre tarefa e promete seguir à risca todas as recomendações: nunca colocar o colar no próprio pescoço, não contar a ninguém sobre a joia que carrega, não falar com estranhos sobre sua empreitada. Porém, que mal poderá haver em experimentar rapidinho um colar tão bonito? E qual o problema de confidenciar sobre seu trabalho a sua nova amiga e vizinha de cabine que parece tão sincera e amável?
Ivy Pocket só não entende direito por que passou a se sentir tão diferente após colocar o colar. Ela sabe que o diamante relógio guarda um misterioso segredo, mas quem é ela para se impressionar com esse tipo de coisa? Será mesmo que o diamante pode fazer revelações sobre seu passado, como aquelas vistas no dia em que usou o colar? A vida de Ivy Pocket nunca foi exatamente tranquila, mas desde que guarda o diamante relógio algo está diferente. Ela só precisa pensar um pouco para descobrir, tem certeza. Será que é impressão ou ela vem sendo perseguida por pequenas criaturas estranhas por todos os lugares? Enquanto o baile de aniversário de Matilda não chega, Ivy terá muitas perguntas para responder.

A ordem dos clarividentes (Samantha Shannon)
Segundo livro da série Bone Season
400 páginas
Sinopse: Paige Mahoney escapou do brutal campo de prisioneiros dos rephaites, mas seus problemas continuam: muitos dos outros fugitivos estão desaparecidos e ela é a pessoa mais procurada de Londres. Ela é uma andarilha onírica, um dos tipos mais raros de videntes, que são uma realidade na Inglaterra em 2059, mas nem por isso deixam de ser marginalizados e perseguidos pela sociedade. Com a comunidade clarividente dividida por segredos obscuros e ameaçada pelos Rephaim, Paige deve seguir em frente, até que o destino de Scion, e o seu próprio, seja decidido.
A ordem dos clarividentes é a esperada continuação de Temporada dos ossos, segundo da série de fantasia distópica com toques paranormais Bone Season, sucesso da britânica Samantha Shannon. Publicada na Inglaterra pela Bloomsbury, casa editorial responsável pelo sucesso Harry Potter, Shannon foi apontada pela crítica como uma nova e vigorosa voz da literatura fantástica contemporânea, “a melhor criação mitológica desde que Harry Potter aportou em sua Nimbus 2000”, afirma o USA Today, por sua combinação de horror e ficção científica, com um inovador e surpreendente código de combate para os personagens.
Ainda sofrendo pelo tempo aprisionada, Page tenta fazer Jaxon Hall, dos Sete Selos, entender o perigo que os rephaites são para toda a humanidade, mas seu antigo líder está irredutível e tem seus motivos secretos para isso.
Mas quando os rephaites começam a sair das sombras, Paige precisa descobrir como espalhar a verdade e salvar o submundo. E a única alternativa parece ser assumir o controle do Sindicato, mesmo que isso signifique passar por cima de Jaxon Hall e dos outros mime-lordes.
Em A ordem dos clarividentes, Samantha Shannon mostra os bastidores da política que rege o Sindicato. Segredos, traições e violência norteiam a trama. Contando com a ajuda de uns poucos amigos e alguns surpreendentes aliados, Paige tem que usar todos os seus dons para provar sua inocência e revelar a verdade sobre os rephaites, se quiser sobreviver. Com uma trama eletrizante, cheia de intriga e reviravoltas, A ordem dos clarividentes é a sequência perfeita para uma saga surpreendente.
Box Biblioteca Hogwarts (J.K. Rowling)
Relançamento de Os contos de Beedle, o bardo, Quadribol através dos séculos e Animais fantásticos e onde habitam
Os três livros que compõem a Biblioteca Hogwarts, usados pelos alunos da Escola de Magia e Bruxaria na série Harry Potter – Animais fantásticos e onde habitam, Quadribol através dos séculos e Os contos de Beedle, o Bardo –, reunidos num box que não pode faltar na estante dos fãs. Além de serem vendidos separadamente, os livros podem ser adquiridos dentro de uma caixa especial, formando a coleção dos sonhos de qualquer Potterhead.
Com seis novas criaturas e prefácio inédito de seu autor, Newt Scamander, especialista em criaturas mágicas, Animais fantásticos e onde habitam reúne informações detalhadas sobre seres como a acromântula, uma aranha monstruosa de oito olhos dotada de fala humana desenvolvida pelos bruxos para guardar suas casas ou tesouros, e o basilisco, entre outros. Leitura obrigatória para qualquer aprendiz de bruxo, o guia original de animais mágicos da série Harry Potter traz um inventário detalhado desses seres fabulosos. 
Já Quadribol através dos séculos apresenta um histórico completo do esporte mais praticado em Hogwarts. Tão popular para os bruxos quanto o futebol para os não bruxos, o quadribol é praticado com os jogadores suspensos em suas vassouras e, como o nome sugere, com quatro bolas por partida. No livro, Kennilworthy Whisp, famoso especialista em quadribol e pseudônimo de J.K. Rowling, explica tudo sobre o esporte, desde a sua origem até o presente século, as modificações ocorridas ao longo do tempo, sua difusão pelo mundo etc. Repleto de detalhes curiosos, Quadribol através dos séculos é leitura obrigatória para os alunos da Escola de Magia e Bruxaria frequentada por Harry Potter (e para os fãs).
Citado em Harry Potter e as Relíquias da Morte como um presente deixado pelo mestre Alvo Dumbledore para Hermione Granger, Os contos de Beedle, o Bardo reúne cinco contos populares para jovens bruxos e bruxas. Como J.K. Rowling explica na apresentação do livro, pouco se sabe do passado de seu autor, apenas que Beedle, o Bardo, teria nascido em Yorkshire no século XV, possuía uma longa barba e que suas histórias foram passadas de geração em geração por pais bruxos para seus filhos, da mesma forma que os contos e fábulas escritos para pequenos trouxas (crianças não bruxas). O livro, traduzido das runas originais pela personagem Hermione, a partir do velho exemplar herdado por ela, traz comentários e notas do professor Alvo Dumbledore que revelam muitas curiosidades sobre sua fascinante personalidade e o passado de Hogwarts.
A mulher do oficial nazista (Edith Hann Beer)
Biografia
272 páginas
Edith Hahn era uma mulher austríaca extrovertida e de opinião forte quando a Gestapo aprisionou os judeus em um gueto e, depois, em um campo de trabalhos forçados. Quando Edith retornou à Viena, ela sabia que seria cassada pelos nazistas. Resolve, com a ajuda de uma amiga cristã, criar uma nova identidade. Assim emerge Grete Denner. Foi como Grete que ela conheceu Werner Vetter, um membro do partido nazista que se apaixonou perdidamente por ela. Apesar de seus protestos e de confessar ser judia, Werner a pediu em casamento e manteve sua identidade em segredo.
Neste livro, Edith reconta como era viver em constante medo. Ela revela como os oficiais nazistas casualmente questionavam a linhagem de seus pais, como ela recusou analgésicos durante o parto de seus filhos, o momento em que seu marido foi capturado pelos soviéticos, quando foi expulsa de sua casa e teve que se esconder de soldados russos bêbados que estupravam mulheres na rua, dentre tantas outras experiências terríveis de um dos períodos mais avassaladores da História.

A viúva negra (Daniel Silva)
400 páginas
Sinopse: Gabriel Allon está prestes a se tornar o chefe do serviço de inteligência secreto de Israel. Mas na véspera da sua promoção, eventos conspiram para atraí-lo para o campo para uma operação final. ISIS detonou uma bomba no bairro de Marais, em Paris, e o governo francês está desesperado. Gabriel precisa eliminar o homem responsável, antes que ele ataque novamente.

Underground Railroad (Colson Whitehead)
320 páginas
Sinopse: Cora é uma jovem escrava em uma plantação de algodão na Georgia. A vida é infernal para todos os escravos, mas especialmente terrível para Cora. Uma pária até entre outros africanos, ela está chegando à maturidade, que a tornará vítima de dores ainda maiores. Quando um recém-chegado da Virgínia, Caesar, revela uma rota de fuga chamada, a ferrovia subterrânea, ambos decidem escapar de seus algozes. Mas nada sai como planejado. Cora e Caesar sabem que estão sendo caçados: a qualquer momento podem ser levados de volta a uma existência terrível sem liberdade.

quinta-feira, 11 de maio de 2017

Resenha {Livro} - O mundo de Quatuorian (Cristina Pezel)

Exemplar cedido pela autora

Uma aventura épica de fantasia repleta de ação e magia onde cada detalhe tem um sentido e cada um tem seu propósito. Esta é a história criada por Cristina Pezel em seu romance O mundo de Quatuorian.
Meu exemplar autografado e que eu tive a honra de ganhar da própria autora. Muito obrigada ^^

Dividida em três partes, a narrativa inicia apresentando alguns dos personagens que figuraram ao longo da trama; Teriva é um deles. Tendo perdido seu pai na noite de seu nascimento, ele fora criado pela mãe e alguns bons amigos que os acolhera neste momento de tamanha dor, entre eles Vinich, que como Teriva perdera alguém querido (sua mãe) quando era ainda bem jovem e juntos formaram um forte laço de amizade.
Na primeira parte da história, vemos os dois ainda crianças aspirantes a guardiões no mundo de Quatuorian, um mundo comandado por um imperador e regido por leis próprias onde magia define cada ser habitante deste mundo, como Teriva e Vinich, que deverão ao longo de suas jornadas descobrir seus verdadeiros poderes. E assim conhecemos também Julenis, uma menina cheia de personalidade e atitude, embora seja ainda bastante nova, que ao longo da trama não medirá esforços para defender aqueles que ama.

“- Alguém pode prestar serviços ao desequilíbrio, pelo que sei - disse Axion voltando-se para Zertran para explicar seu argumento - Temos percebido, e todos os mestres aqui o sabem, que ganância, ambição e inveja são males que gradativamente estão voltando a Quatuorian. Em pequenas coisas temos observado isto, há décadas! [...]”
(Cristina Pezel, p. 92)

No decorrer da história, vamos acompanhado o crescimento dos três, que acabam se reencontrando enquanto treinam para aprimorarem suas habilidades recém-descobertas. Enquanto isso, alguém está traçando um plano terrível que poderá colocar toda Quatuorian em perigo, e é então que cada deles - entre outros personagens que aparecerão ao longo da narrativa-, descobrirá que faz parte de algo muito maior e deverão, portanto, lutar pelos que os cercam.

“- Tudo está escrito em uma série de profecias, e está explicado com pormenores num outro códice do qual não devo falar agora. Mas a parte das profecias... é preciso que entendam que estamos passando por um momento de revelações proféticas importantes. Devemos nos preparar para os próximos sóis-azuis e para o destino de Quatuorian. O que está se revelando é porque vocês fizeram parte dessas coisas agora, e precisarão fazer parte dela no futuro [...]”
(Cristina Pezel, p. 190)

Cristina soube explorar magistralmente todo o universo fantástico por ela criado, desde os seres que ali habitam às suas crenças e normas sociais - que são bem explicadas no apêndice do livro, logo após o final do história -, bem como criou personagens cativantes que poderiam facilmente vir a tornarem-se nossos amigos e bons exemplos a serem seguidos.
Algumas das ilustrações dos personagens, que vão dando complementando a história

Gostei muitíssimo da história, que a meu ver termina bem amarradinha, onde cada detalhe vai sendo revelado o real motivo por ele estar lá ao longo da trama; não há nada solto ou jogado na história, tudo tem um propósito para estar ali.
Parte do mapa de Quatuorian

Assim, deixo aqui minha recomendação de leitura a todos os fãs de Literatura Fantástica, sejam iniciantes neste gênero ou não. Espero que muitos possam ainda conhecer esta história incrível (e que dá um baita orgulho de ter sido criada por uma escritora brasileira ♡); por Númen, leiam!

449 páginas | 1ª edição | 2016 | Compre o livro na versão digital ou físico.





sábado, 6 de maio de 2017

{Especial May the 4th be with you} Adaptações

Salve fãs de Star Wars!
O grande dia já passou, mas nem por isso nós deixamos de comemorar. Assim, dando continuidade aos nossos posts especiais desta data especial, falarei desta vez sobre as adaptações da saga de George Lucas.
Confira também nossos posts anteriores do Especial May the 4th be with you:
Apresentação.
A Melhor época para ser Nerd
- Arte e paixão: Star Wars e as fan arts

Inúmeras histórias exclusivas para o cinema ganharam suas versões impressas após fazerem sucesso, seja em romances que se baseiam fielmente na história mostrada no filme, assim transpondo-o para a literatura, como é o caso da trilogia clássica da saga Star Wars, de George Lucas, cuja “versão romantizada” (Star Wars: A trilogia) fora lançada no Brasil pela editora DarkSide em 2014, contendo três histórias - cada uma correspondente a um dos filmes (episódios IV, V e VI) - escritas por três autores diferentes (dentre eles, o próprio George Lucas), ou em histórias novas que se baseiam em personagens e/ou situações do filme em questão que não foram aprofundados (por serem personagens secundários ou situações fora do contexto principal da trama, por exemplo), como é o caso do livro Tarkin, lançado por aqui 2015 pela editora Aleph, que faz parte do universo expandido de Star Wars, cujo autor James Luceno aprofunda-se em um personagem secundário dos filmes da “trilogia clássica” da saga Star Wars a fim de contar maiores detalhes sobre o personagem em questão e tudo aquilo que o envolve.
Tendo se tornado uma prática comum com a história criada por George Lucas, o processo de “romantizar” um filme tem se tornado cada vez mais popular com esta e outras histórias.
E com sua “popularidade”, surge também sua justificativa em especial por parte dos expectadores, que veem tais adaptações “como tendo um tipo de valor [...] educativo [...] os fãs de filmes apreciam romantizações porque elas oferecem um novo olhar sobre os processos de pensamento dos personagens e maiores detalhes sobre seu passado [...]” (Linda Hutcheon, 2014, p. 163)
Assim, pode-se notar a importância que esse tipo diferente de adaptação possui para o expectador, que mais tarde torna-se também um leitor de suas histórias favoritas.
Por outro lado, um outro tipo de adaptação que a saga de George Lucas colocou em voga foram as prequels (ou prequelas), histórias que servem para contar algo que tenha acontecido no passado de uma história já criada, servindo como uma espécie de prólogo. No caso específico de Star Wars, as prequels (episódios I, II e III e o mais recente spin-off, Rogue One) servem para expor ao expectador diversos detalhes que não puderam ser mostrados nos três primeiros filmes lançados, tais como o “outro lado” do vilão da saga e seus motivos para ter se tornado quem ele é agora, questões políticas e relacionadas à guerra que está para acontecer, as relações dos Mestres Jedi com seus aprendizes, entre outros, desta forma aprofundando-se mais ainda em certos aspectos da trama principal e oferecendo maiores detalhes sobre esta.
Entretanto, este não é um caso específico de Star Wars, uma vez que outras histórias também ganharam adaptações em prequels, como na série Bates Motel (2013), baseada no filme Psicose (1960) de Alfred Hitchcock, que mostra detalhes do passado do personagem principal (Norman Bates) e suas motivações para virar quem se tornou, a trilogia cinematográfica O hobbit (2012, 2013, 2014), de Peter Jackson, cuja história mostra os acontecimentos que antecederam àqueles narrados nos filmes da trilogia O senhor dos anéis (2001, 2002, 2003), também de Peter Jackson, e o filme Animais fantásticos e onde habitam (2016), este baseado na série literária Harry Potter da escritora britânica J.K. Rowling, embora com a famosa saga cinematográfica tenha se tornado referencia no que diz respeito às prequels e com isso tenha talvez transformado a indústria de cinema.

(Texto retirado e adaptado de SILVA, Isabelle Brum e. Star Wars: o retorno das adaptações. in Adaptação: Uma questão de continuidade em Harry Potter. 2017. N f. Monografia (Pós-Graduação Lato Sensu) - Faculdades Integradas Campo-grandenses, Rio de Janeiro, 2017.)
Obs.: texto original escrito por mim ^^’

May the 4th be with you


sexta-feira, 5 de maio de 2017

{Especial May the 4th be with you} Arte e paixão: Star Wars e as fan arts

Creio que todo fã de algum livro, filme, vídeo game já ouviu falar sobre as fan arts. Bom, para quem nunca ouviu esse termo, fan arts são artes feitas pelos fãs. Vou explicar melhor.
Eu, Moony, amo Harry Potter. Então, quando jogo no Google o nome Harry Potter aparece uma gama de artes (desenhos, montagens) que não são oficiais da franquia, mas, sim, criada por fãs que são artistas.
Eis um exemplo de fan art de Harry Potter:
Na figura acima, vemos o Trio de Ouro e a Gina juntamente com o hipogrifo Bicuço. É uma versão dos personagens pelo fã-artista. E pode ser de diversas cenas e, até mesmo, de momentos que não existiriam na história oficial, só na imaginação do fã-artista.
É obvio que a franquia “Star Wars” que está completando 40 anos de existência, também possuiu seus fãs-artistas e suas fan arts.
Não consegui achar informações históricas sobre as fan arts, a época em que começaram a surgir, por exemplo, mas tenho certeza que a Internet tem grande influência no surgimento e divulgação das mesmas, assim como no fenômeno das fanfictions. Estas tem sua maior divulgação na década de 1990 com a popularização da Internet e seus fóruns de divulgação (quem não lembra das famosas comunidades de fics do Orkut?!). Mas, na verdade, elas surgiram muito antes, na década de 1970, com histórias relacionadas principalmente a “Star Trek” (Jornada nas Estrelas). Assim, acredito que as fan arts tenham começado a surgir nesse período também.
E para [quase] terminar este post, quero dizer que as fics se popularizaram no Brasil através da saga Harry Potter, de J. K. Rowling. Os Potterheads (tipo eu!) piram!
Agora, confiram algumas fan arts de Star Wars que podem ser encontradas no Google. 
Todos os créditos das imagens aos autores.






(Clique nas imagens para amplia-las)
E a última para acabar de destruir nosso humilde coração:
Que a Força esteja com vocês.

Confira também nossos posts anteriores do Especial May the 4th be with you:

quinta-feira, 4 de maio de 2017

{Especial May the 4th be with you} A Melhor época para ser Nerd

O mês de maio é uma excelente desculpa para ser tornar Nerd e Geek.
Enquanto para uns, é o mês que comemoramos o Dia das Mães e para outros, celebra-se a época do ano em que todas as pessoas resolvem se casar (e que não sabem o significado histórico para ser o mês das noivas, como afirmam), ainda para outros, a parte legal da população (brincadeirinha!), é a época em que festejamos desde o Orgulho Nerd até o Dia da Batalha de Hogwarts. E, nessa matéria especial, vamos falar sobre o 4 de Maio!
Se você é do tipo da minha avó, que nunca ouviu falar em Star Wars, deve estar se perguntando o que tem de tão especial nesse dia. Se não, já deve ter entendido a referência e o Capitão América ficaria muito feliz e orgulhoso!
A franquia que amamos, Star Wars, existe desde a década de 1970 (1977 mais especificamente), tem uma das frases mais emblemáticas do mundo cinematográfico e que se tornou ícone da cultura pop, assim como o Vovô Vader. Ops! Quero dizer, Lord Vader.
“Que a Força esteja com você” é dita por diversos personagens da franquia, jedi ou não. E é dita por várias pessoas no dia a dia, onde se tornou um cumprimento, como exemplo do “Primeiramente, Fora Temer!” que, infelizmente, conhecemos muito bem. Até eu, humilde professora, já recebi alunos e grupos no meu antigo trabalho (museu) dizendo esta frase.
Mas o que isso tem haver com o 4 de maio, Mestre Yoda?
No inglês, a célebre frase da obra de George Lucas fica assim: “May the Force be with you”, sendo comum que os fãs da série fizessem um trocadilho, dizendo: “May the Fourth be with you.”, no bom português seria “Que o 4 de maio esteja com você.”
Segundo alguns site, a primeira celebração ocorreu no ano de 2011, no Canadá. E, desde então, a homenagem ganhou tanta força (seria a Força agindo?!) pelo mundo que hoje conta com um site da própria Disney dedicado somente ao Dia de Star Wars. Aliás, o dia 4 de maio é marcado por atividades especiais nos parques da empresa. Imagina passar um Star Wars Day em Orlando?! Quem sabe, um dia, a Força me ajude a realizar este sonho!
Agora partindo para a nossa comemoração, do blog Attraverso Le Pagine, vou comentar sobre alguns livros relacionados a saga que possuo e indico.
Começando pelo primeiro livro sobre “Star Wars” que li: Star Wars: Provação.
STAR WARS: Provação se passa 40 anos após o acontecimentos do filme STAR WARS – Episódio VI. A trama se inicia quando Lando Calrissian pede ajuda para enfrentar um grupo de piratas em uma de suas minas. Dois grandes vilões, movidos por vingança e ambição e talvez ainda mais perigosos que o próprio Império, farão o ex-contrabandista e a esposa, agora cavaleira Jedi, se unirem novamente a Luke nessa aventura que explora dinâmicas da Força de uma forma nunca antes feita. Repleto de ação do começo ao fim, Provação traz de volta os principais personagens da saga STAR WARS em uma trama que combina perfeitamente chantagens, sequestros e batalhas tão épicas quanto as da trilogia.”
Li o livro de Troy Denning em 2016 e a história do Luke, Leia e Han me emocionou bastante, me fazendo chorar como não chorava havia tempos com algum livro. Em apenas 408 páginas, a obra mostra que até os Jedis tem um lado humano, sentindo raiva e ciúmes. O que mais gostei foi saber mais sobre a Leia e o Han (que história triste) e saber que a Leia é muito poderosa, já que os filmes não mostram isso (está mudando, finalmente). Pena a Disney ter seguido outra linha em alguns pontos.
É lindo! Leiam!

Os próximos da lista são: “Como Star Wars Conquistou o Universo: O Passado, o Presente e o Futuro da Franquia Multibilionária” e “Star Wars: A Princesinha de Vader”.
O primeiro, de Chris Taylor, nunca li, mas parece ser muito interessante por contar como e porque Star Wars se tornou todo esse sucesso. A editora Aleph, responsável pela publicação do mesmo no Brasil, acertou na escolha da capa (Vovô Vader) e a obra possuiu fotos relacionadas ao fenômeno mundial. Quem tiver lido, nos diga se realmente é bom ou não.
O segundo é um dos meus livros favoritos. Apesar de ser voltado para as crianças, Jeffrey Brown também consegue atingir os adultos com situações do cotidiano vividas por Vader e sua filha Leia, fazendo o leitor se aproximar dos personagens a partir do momento que a Leia e o Vader vivem situações comuns de muitas famílias. O livro também publicado pela Aleph é bem fino, mas arranca boas gargalhadas.
Esses outros dois livros tem como personagem principal a Leia Organa. O da esquerda ganhei tem algum tempo e o da direita foi meu presente de Páscoa (amo meu namorado *-* ). E adivinha? Ainda não li nenhum. Sorry!
Alvo em Movimento” (editora Seguinte) faz parte da série de livros “Star Wars: O Despertar da Força”, dando pistas para o filme:
“Nesta história, que se passa entre ‘O Império contra-ataca’ e ‘O Retorno de Jedi’, a princesa Leia lidera um grupo de rebeldes numa missão contra o maligno Império Galáctico. Passando por três planetas diferentes, ela precisa distrair as tropas imperiais enquanto a Aliança Rebelde organiza um ataque à nova Estrela da Morte.”
A capa é linda, as imagens dentro do livro são perfeitas. Vale a pena conferir.
Império e Rebelião: O Fio da Navalha”, de Martha Wells, saído ano passado pela Universo dos Livros, a Aliança Rebelde está sendo perseguida pelo Império e a escassez de suprimentos vitais estão atrasando a construção de uma nova base secreta no planeta gelado de Hoth. Mas os Rebeldes acabam tendo que lidar com uma traição que ocasionam na descoberta, por Leia, de que há saqueadores que vieram de seu planeta natal, Alderaan, recentemente destruído pela Estrela da Morte. Parece muito interessante, tirando a capa que não é das mais chamativas.
E, para finalizar, o que não falta na franquia “Star Wars” são as HQs. Tem revistas em quadrinhos para todos os gostos e, infelizmente, não consegui colecionar todas, nem mesmo a que saiu recentemente da Leia. Mas, para quem pode, vale muito a pena iniciar esta coleção cuja distribuidora é a Panini.

Espero que tenham gostado desse pequeno artigo.
Bibliografia:
- CIRIACO, Douglas. “Por que Star Wars Day é celebrado no dia 4 maio?” https://canaltech.com.br/noticia/cinema/por-que-o-star-wars-day-e-celebrado-no-dia-4-maio-40537/ 
- Star Wars May The 4th Be With You. http://www.starwars.com/may-the-4th 
- Facebook: https://www.facebook.com/StarWars.br/?brand_redir=169299103121699 
- SKYWALKER, Marcelo. [RESENHA] Star Wars: Provação de Troy Denning. http://www.jedicenter.com.br/resenha-star-wars-provacao-de-troy-denning/