quinta-feira, 28 de setembro de 2017

Resenha {Livro} Flores partidas (Karin Slaughter)

Exemplar de cortesia da editora ♡

Falar que Flores Partidas foi uma surpresa e tanto é pouco! Ainda mais depois do que eu descobri da autora durante o processo de escrita deste romance (falei sobre isso no post de curiosidades literárias sobre a autora. Acesse clicando aqui). Só sei que virei fã dela e de suas histórias e mal posso esperar para ler todos os seus livros.
Vamos então à resenha...

Há mais de 20 anos a jovem Julia Caroll desaparecera sem deixar pistas, levando consigo a união de sua família, cujos membros separaram-se e seguiram com suas vidas cada um à sua maneira.
Sua mãe, aparentemente mais forte, superara a perda da primogênita após todos esses anos - embora tenha ficado devastada a princípio -, enquanto o pai continuou na esperança de reencontrar a filha mesmo quando todos, incluindo a polícia, desacreditavam que ela um dia retornaria - o que o motivou a escrever diários sobre Julia e o que ele havia descoberto envolvendo seu desaparecimento, a fim de entrega-los à filha quando esta retornasse.

“[...] Sua mãe e eu sempre ficamos muito satisfeitos, em segredo, com o fato de você ser tão determinada e intensa em relação a suas causas. Quando você foi embora, entendemos que essas eram as qualidades que definem os homens como espertos e ambiciosos e as mulheres como um problema.”
(Karin Slaughter, p. 9)

Suas irmãs mais novas haviam cortado laços afastando-se completamente uma da outra após o casamento da caçula, Claire, que se tornou uma mulher rica e bem-sucedida ao lado de um marido sempre presente e atencioso. No entanto, Claire vê sua vida desmoronar quando seu marido é assassinado durante um assalto, morrendo em seus braços, e com a morte dele, Claire faz uma descoberta chocante que a faz enfim reaproximar-se de Lydia, a filha do meio dos Caroll cuja vida somente começara a entrar nos eixos agora, depois de ter passado muitos anos no caminho das drogas. Lydia, mãe solteira e trabalhadora, sente que deve ajudar a irmã mais uma vez. E assim outra tragédia familiar desta vez poderá unir novamente aqueles que nunca deviam ter se separado - mesmo que algumas antigas feridas tenham de ser tocadas com tudo isso.

“Quando Julia desapareceu, todo mundo dizia que era muito trágico algo tão ruim ter acontecido com uma garota tão bacana. Então, quando o delegado revelou a teoria de que ela havia fugido de casa - para se reunir a uma comunidade hippie ou ficar com um rapaz -, o tom mudou, passando de simpatia para acusação [...]”
(Karin Slaughter, p. 148)

Retomando os mesmos temas presentes em A garota dos olhos azuis, conto que antecede este livro único de Karin Slaughter (confira a resenha do conto clicando aqui), a autora cria uma trama repleta de surpresas, ação e emoção ao tratar do papel da família e da sociedade, assim como da violência contra a mulher, seja ela física ou não (que é o foco principal desta narrativa), escrevendo sobre personagens femininas fortes sem ser “super-heroínas”, personagens humanas, com problemas reais e fraquezas mas que não precisam ser salvas a todo momento por um personagem do sexo masculino.
Exemplar da minha mãe autografado pela autora <3

Amei a escrita da Karin e como disse já virei sua fã (eu e minha mãe, na verdade, que também amou a história *-*) e recomendo a todos que gostam de um bom thriller!

395 páginas | 1ª edição | 2017 | Harper Collins Brasil






terça-feira, 26 de setembro de 2017

XVIII: A melhor Bienal do Livro de todas!

Boa tarde meus queridos leitores e leitoras deste meu Brasil. Como vocês estão?
O post deste ano sobre a Bienal do Livro Rio 2017 será em sua maioria sobre gratidão, então senta que lá vem história...

Este ano fui mais uma vez como livreira (um dia eu ainda vou como professora!) e pude aproveitar ainda mais o grande evento graças à credencial que me permitia entrar gratuitamente em qualquer dia que eu fosse, pois se fosse pago eu certamente não iria tantos dias, e este infelizmente foi um ponto hiper negativo na edição deste ano, cuja entrada estava pelo preço absurdo de R$24,00 o ingresso inteiro (ainda mais nesses tempos de crise...).
Mas vamos focar nos pontos positivos desta edição; e já que um ponto negativo foi o preço absurdo da entrada, um dos positivos foram os preços dos livros. Isso mesmo, senhoras e senhores, diferentemente das edições anteriores, este ano tiveram diversos estandes nos três pavilhões com uma enorme variedade de livros a 5, 10 ou 15 reais, todos em excelente estado. Fiz a festa nesses estandes e sai bastante satisfeita, já que achava que compraria bem poucos este ano (e assim a fila de leituras que já estava grande só aumenta, mas fazer o que?! XD)

Outra coisa que melhorou muito nesta edição foi a questão do transporte público. Num ano em que meu “não tão mais querido” estado do Rio de Janeiro está falido, com um caos em todos os setores (inclusive o do transporte), o acesso ao Rio Centro está bem mais fácil graças às novas estações de BRT, Rio Centro e Olf Palm, que ficam praticamente em frente ao espaço, cada uma dando acesso a uma das entradas da feira - e isso, para quem mora na zona oeste do Rio de Janeiro como eu, foi um avanço e tanto...

Algo que me chamou a atenção também foi o tamanho do espaço para o evento, um pouco menor do que nos anos anteriores, porém nem por isso menos interessante. Apesar de não contar com alguns estandes (saudades, Novo Conceito ), outros novos estiveram presentes este ano, como o estande maravilhoso da HarperCollins Brasil, responsável por livros de diversos segmentos, como os da Aghata Christie e outros de romance policial, históricos e até livros sobre Harry Potter. Este estande em especial além de estar com promoções bem legais (consegui dois livros da Aghata lá por menos de 10 reais cada *-*) também contou com um espaço interativo onde eram exibidas mini sessões de filmes de 10 minutos e workshops e palestras com a presença de autores da editora, como o bate-papo com a Karin Slaughter, autora de Flores Partidas.

E por falar em estandes, outro que merece destaque foi o estande da editora Rocco. Inteiramente dedicado a Harry Potter, o espaço contava com diversos itens decorativos para tirarmos fotos, incluindo uma vassoura com um painel simulando um campo de Quadribol. Coisa mais linda da vida <3

Ainda sobre os estandes, o da editora Intrínseca foi um que agradou aos fãs de praticamente todas as suas publicações. Tinham painéis dos livros Extraordinário, Caixa de Pássaros, um dedicado ao autor Neil Gaiman, outro à Jojo Moyes e um do queridinho do momento Para todos os garotos que já amei.

O da editora Leya como sempre contou com o trono de ferro de Game of Thrones, e é claro que eu não podia deixar passar e ir tirar uma foto no trono da Daenerys (desculpa, Cercei, mas o trono é dela :P). Só que este ano foram não um, mas TRÊS tronos pela Bienal, então a fila interminável não ficou tãooo interminável assim, um alívio para nós, leitores

E uma surpresa e tanto nesta edição foi o estande dedicado ao Museu da Língua Portuguesa, com muitas informações sobre nossa língua. Me diverti bastante com as palavras que diferem de um país falante de língua portuguesa para outro e com as origens de algumas palavras da nossa língua.

Nesta edição, diferentemente das anteriores, inclusive da Bienal de São Paulo, que tive a oportunidade de visitar duas vezes, pude aproveitar também os eventos, palestras e bate-papos promovidos por editoras, blogueiros, booktubers e personalidades do mundo geek - este último, uma baita novidade neste ano...
Participei de um dos eventos promovidos pelo The Gift Box, que inclusive estava com uma agenda repleta de eventos exclusivos, em parceria com o blog Cheiro de Livro. Neste, mediado pela sempre competente Frini, conhecemos mais um pouquinho do Cheiro de Livro, do Clube do Livro Saraiva, ambos da Frini, além da 2ª temporada do projeto Lit. Girls, que está vindo com tudo! (Mas isto é assunto para outro post...)

Participei também de um bate-papo com da editora HarperCollins Brasil com a presença da autora Karin Slaughter (que a propósito é um amorzinho <3). No bate-papo com a autora, conhecemos um pouco mais sobre seu processo de escrita, algumas curiosidades e o que poderá vir num futuro não muito distante. Falei mais sobre este encontro super especial neste post aqui.

Falando ainda de editoras, participei do encontro de blogueiros da Seguinte, que num bate-papo bastante descontraído, com novidades literárias e brincadeiras para todos os participantes (inclusive com os autores convidados, Eric Novello e Iris Figueiredo). Até ganhei um livro numa das brincadeiras (na verdade foi a Nessa, aqui da equipe do blog, quem ganhou o livro e me deu *-*).

E teve ainda o evento de Harry Potter da editora Rocco mediado pelos youtubers Thiego, Leo, Caco e Renie, os “Marotos do YouTube”. Não vi muitas novidades não e até achei o evento meio paradinho, mas valeu pelo pedido de casamento super fofo e pelos brindes dos participantes *-* (e se preparem porque tem surpresa pra vocês...)

Outro espaço bem legal foi o dedicado às crianças, que contou com diversas atividades para o público mirim, desde contação de histórias a palestras educativas sobre conscientização, cuidados com o meio ambiente e afins.

E para fechar com chave de ouro, a grande novidade desta edição da Bienal do Livro Rio foi o espaço Geek e Quadrinhos, que comandado pelo Affonso Solano contou com diversas palestras e workshops sobre o universo geek e nerd em geral.
Assisti duas palestras lá, uma sobre mulheres nos quadrinhos e outra sobre estar Wars e gostei de ambas. Conseguimos (nós da equipe do blog) entrar de última hora em ambas e adoramos presenciá-las e aprender um pouquinho mais sobre estes universos que tanto amamos.

Quanto aos autores presentes este ano, amei as escolhas! Pude conhecer duas autoras internacionais (Karin Slaugther e Jenny Han), que são umas fofas, e reencontrar os escritores nacionais que tanto amo (Renato Rodrigues, Eddie Van Feu, Fernanda Nia e Eric Novello), além de enfim conhecer o Pedro Bandeira, o senhor mais fofo e simpático de todos!

E vamos às fotos *-*

Livros autografados - parte 1
Livros autografados - parte 2
Livros autografados - parte 3 (ufa!)
Com a sempre fofa e simpática Fernanda Nia <3
Eu e Nessa, resenhista aqui do Attraverso le Pagine, com o Eric Novello, outro amor de pessoa <3
Com o Pedro Bandeira, uma fofura de pessoa <3
Com o Renato Rodrigues e a Eddie Van Feu, esse super casal da Literatura Fantástica \0/
Com a linda e fofa da Jenny Han *-*
E com a Karin Slaughter, DIVA do thriller e do romance policial *----*
Meu "saldo" desta Bienal, entre livros (a maioria em promoção *-*) e HQs!!!

Mais organizada (apesar do espaço um pouco reduzido) e mais diversificada, esta sem dúvida foi a melhor Bienal de todas! Tirando uns pequenos percalços (filas e mais filas, mas fazer o que, né?!), foi tudo lindo! E agora é aguardar ansiosamente pela próxima edição em 2019...

quinta-feira, 21 de setembro de 2017

Resenha {Livro} A menina que roubava livros (Markus Zusak)

Liesel Meminger é uma menina esperta e curiosa que vê sua vida mudar completamente ao ter de deixar a mãe para viver com Hans e Rosa Huberman - seus agora pais de criação - em meio à Alemanha nazista de Hittler. E para suportar toda a dor que a guerra lhe trouxera - e que ainda iria lhe trazer nos anos seguintes à sua chegada na casa 33 da rua Himmel -, Liesel se encontra no mundo das palavras e dos livros, tornando-se uma roubadora de livros.

“Quando viesse a escrever sua história, ela se perguntaria exatamente quando os livros e as palavras haviam começado a significar não apenas alguma coisa, mas tudo [...]”
(Markus Zusak, p.31)

Seu primeiro “crime” fora o furto do Manual do coveiro, livro que encontrara no dia do enterro de seu irmão, e desde então, a menina não parara mais: de “roubar” livros e de lê-los.
Com a ajuda de Hans Huberman, um verdadeiro exemplo de pai e amigo, e de tantos outros personagens cativantes que encontramos no decorrer na narrativa - esta realizada pela própria morte -, Liesel descobre o poder que as palavras possuem, sejam eles bons ou ruins.

“Sim, o Führer decidiu que dominaria o mundo com palavras [...]”
(Markus Zusak, p.386)

Mais do que um livro sobre a História, este é um livro sobre uma menina descobrindo o mundo, com seus horrores e momentos de alegria, valores familiares, de amizade e de companheirismo. E talvez por isso, eu não consigo escrever muito sobre ele: por ele ser tão incrível a ponto de me faltarem palavras para expressar o quanto a história é boa nos mais diversos sentidos.
E não somente a história em si, mas também a forma como ela é conduzida, com uma narração quase que “poética”, diferente de tudo que eu já li (ainda mais por ser narrado pela morte), sendo praticamente um livro dentro de outro livro, cuja história ficcional - porém baseada em fatos - de Liesel vai se entrelaçando à verdadeira história do nazismo e da Segunda Guerra Mundial.

Este é com certeza um livro que deve ser lido por todos, sem exceção, seja você um entusiasta de História ou não. E eu só me arrependo de não ter lido esta obra literária magnifica há mais tempo, pois sem dúvida teria gostado tanto quanto gostei dela agora.
Fica aqui então minha dica de leitura ;)
478 páginas | 3ª edição | 2013 | Intrínseca




quinta-feira, 14 de setembro de 2017

Resenha {Conto} A garota dos olhos azuis (Karin Slaughter)

A garota dos olhos azuis, conto que precede o romance Flores partidas, da americana Karin Slaughter, narra a trajetória de Julia, a mais velha de três irmãs, momentos antes de desaparecer no campus de sua faculdade.
Julia Caroll é uma jovem universitária de 19 anos redatora do jornal da faculdade que está obcecada pelos recentes casos de desaparecimento de mulheres - em especial o sumiço repentino de uma estudante de sua faculdade, Beatrice Oliver -, fazendo com ela queira escrever no jornal sobre o desaparecimento da menina.

“Julia estava obcecada com o desaparecimento da garota. Dizia a si mesma que era porque queria cobrir a história para o Red & Black, mas a verdade era que ela estava morta de medo por saber que alguém — não qualquer pessoa, mas uma garota de sua idade — podia sair de casa e nunca mais voltar.”
(Karin Slaughter)

Indagando qual seria a motivação do sequestrador em raptar Beatrice, Julia descobre maiores detalhes sobre os casos mulheres desaparecidas e de vítimas de estrupo nos EUA no começo dos anos 1990 (época em que se passa a narrativa), e assim, descobrimos ao longo da leitura dados reais sobre esses tipos de vítimas - que vão desde a jovens universitárias, como Beatrice, a jovens desconhecidas, como Mona Sem Nome, uma das sem teto que recebe auxílio onde Julia trabalha como voluntária.

Apesar de curto (e um tanto parado, por assim dizer, no começo), o desenrolar da trama consegue prender a atenção do leitor, deixando no final aquele famoso “gostinho de quero mais” - que espero satisfazer ao ler o romance Flores Partidas.

No mais, recomendo a leitura deste prequel, em especial aos fãs de literatura policial, mistério, thriller e afins, ou quem quer conhecer o estilo da autora. E aproveita que ele tá de graça na Amazon (link logo abaixo)

68 páginas | 1ª edição | 2016 | Harper Collins Brasil | Baixe e leia gratuitamente para o Kindle (aplicativo ou dispositivo) da Amazon clicando aqui




terça-feira, 12 de setembro de 2017

Curiosidades literárias: Karin Slaughter

Os novos livros da rainha do Thriller Karin Slaughter, lançados recentemente pela editora HarperCollins Brasil, são um “prato cheio” para os amantes do gênero. E em sua passagem pelo Brasil na 18ª edição da Bienal do Livro Rio no último fim de semana do evento, Karin contou sobre sua trajetória literária, demonstrando bastante simpatia e comprometimento com aquilo que ama: a escrita!

No último domingo (10/09), foi realizado pela editora HarperCollins Brasil um bate-papo de blogueiros com a escritora; e o Attraverso le Pagine marcou presença para trazer em primeira mão pra vocês o que foi falado durante o bate-papo *-*

Em respostas às perguntas dos leitores sobre o livro único Flores Partidas, relançado este ano pela HarperCollins com nova capa e jacket, Karin disse que se baseou numa história real que um agente do FBI lhe contou para escrever sua narrativa sobre a família Caroll.
Ainda sobre Flores Partidas, a autora contou que este foi o livro mais difícil para ela escrever, uma vez que assim como a família principal do romance, Karin é uma em três irmãs e uma de suas irmãs teve vício em metanfetamina durante um tempo - como a personagem Lydia da história.

Sobre o processo de criação de suas personagens, Karin disse que gosta de escrever sobre mulheres fortes porém não perfeitas, humanas, além de mulheres que não precisam ser salvas por personagens masculinos e sim são salvas por si mesmas. Ela também falou que gosta de trabalhar o passado de suas personagens, mostrando dessa forma o que os levou a serem como são, trabalhando sempre com o lado emocional destas - mesmo que assim ela se apegue às suas personagens como nós, leitores, fazemos.

Para os detalhes mais técnicos relacionados aos casos policiais de seus romances, Karin disse que procura conversar com agentes do FBI, policiais e investigadores em geral, bem como com médicos, legistas e analistas forenses, procurando sempre escrever estes detalhes da maneira menos didática possível, escrevendo sempre com um viés mais literário.

Por fim, quando questionada sobre possíveis filmes e séries de televisão, Karin disse que duas de suas séries literárias tiveram propostas de projetos neste sentido, completando que ela gostaria de ver o ator Rayn Reynolds interpretando uma de suas personagens.
Foto em grupo com a diva Karin *-*

Karin Slaughter se mostrou um exemplo de humildade e simpatia (além de uma fofura ), deixando esta leitora que vos escrever ainda mais empolgada para ler todos os seus livros.

E se você ainda tinha alguma dúvida sobre ler ou não os romances da Karin já publicados no Brasil, sugiro que vá agora mesmo à livraria mais próxima para comprar o seu e ler sem medo de se decepcionar!

Livros publicados no Brasil pela Record

Livros publicados no Brasil pela HarperCollins

Ps.: Em breve teremos aqui no blog a resenha do livro Flores Partidas e do conto prequel, A garota dos olhos azuis.


sábado, 9 de setembro de 2017

Resenha {Livro} Fangirl (Rainbow Rowell)

Rainbow Rowell sempre consegue me cativar com suas histórias (sejam elas contos curtinhos ou longos romances), e com Fangirl não poderia ser diferente...
Aqui conhecemos Cather (Cath) Avery, uma jovem introvertida que acaba de entrar para a universidade Lincoln em Nebraska junto com sua irmã gêmea, Wren - que é o completo oposto da irmã - e terá de enfrentar os desafios que sua nova rotina irá lhe proporcionar.
Apaixonada por livros - em especial pela série literária de sucesso do jovem mago Simon Snow, de Gemma T. Leslie -  e pela escrita, Cath está tendo sérios problemas para se adaptar a esta nova fase de sua vida. Acostumada a viver com a irmã e o pai, escrevendo sua fanfic - Vá em frente (ou Carry On, em inglês) - sobre a série do mago, Cath terá de sair de sua zona de conforto agora que está estudando a escrita mais a fundo e morando com uma colega de quarto que não a entende como Wren a entendia, além de ter que lidar com Levi, o suposto namorado da colega de quarto dela. E tudo isso enquanto lida com suas próprias perdas.

“- Por que escrevemos ficção? - perguntou a professora.
Cath fitou novamente o notebook.
Pra desaparecer.”
(Rainbow Rowell, p. 27)

Para Cath, a escrita é uma forma de escapar. Escapar da realidade dura que a cerca desde que ela e a irmã eram pequenas. Abandonadas pela mãe quando tinham apenas oito anos e criadas pelo pai que sofre com alguns problemas psicológicos (me corrijam se eu estiver errada, mas foi isso que me pareceu que o pai delas tinha), e enquanto Wren tornou-se mais extrovertida, bebendo muito e indo a festas badaladas assim que entrou para a faculdade, longe dos olhos do pai, Cath foi a que ficou mais retraída, sentindo-se sempre responsável pelo pai às vezes instável e pela irmã meio “porra louca”, além de fechar-se no mundo dos livros e da escrita.

“Que sensação boa era escrever num quarto só dela, numa cama só dela! Perder-se no Mundo dos Magos e não voltar. Não ouvir voz alguma em sua mente a não ser as de Simon e Baz. Nem mesmo a dela. Era por isso que Cath escrevia histórias. Para ter esses momentos em que o mundo deles suplantava o mundo real. Quando ela podia simplesmente cavalgar nos sentimentos deles como uma onda, como algo flutuando morro abaixo.”
(Rainbow Rowell, p. 96)

Sabe aquele livro onde você se identifica logo de cara pela protagonista, por sua história e pelas histórias dos que a cercam?! Então, foi exatamente isso que aconteceu comigo. Por diversas vezes eu me vi na persona da Cath - alguém introvertido/tímido, que ama ler e escrever e que vive no mundo de sua série literária favorita (Harry Potter ) -, isso sem contar com os demais personagens, que poderiam facilmente ser meus amigos e parentes (aí, um Levi na minha vida...). Outra coisa que me agradou bastante foram as temáticas que Rainbow abordou neste romance, como família, amigos, amadurecimento, perdas e conquistas. Gostei muito da forma como ela falou disso tudo sem ficar muito “pesado”, de uma forma leve, simples e até mesmo divertida às vezes.
Por isso, este livro me deixou encantada em vários sentidos, e como eu disse anteriormente, Rainbow Rowell mais uma vez não me decepcionou - e garanto que não decepcionará quem já é fã de seus livros.

Uma história sobre fãs, escrita, leitura e crescimento que desde já recomendo a todos e todas!
Da esquerda para a direita: Arthur (pai das gêmeas), Wren, Cath, Levi, Reagan (colega de quarto de Cath) e Nick (colega de turma de Cath)

421 páginas | 1ª edição | 2014 | Novo Século





quinta-feira, 7 de setembro de 2017

{Lançamento} A Joia da Alma, por Karen Soarele

O novo romance de Tormenta! A Jambô Editora tem o prazer de anunciar seu mais novo lançamento: A Joia da Alma, escrito por Karen Soarele. A história inédita se passa no mundo de Tormenta — o cenário de RPG mais conhecido e mais jogado do Brasil — e é o primeiro romance neste universo desde a aclamada Trilogia da Tormenta, de Leonel Caldela. O tour de lançamento contará com sessões de autógrafos em cinco cidades:

RIO DE JANEIRO
9 de setembro, às 15h, no estande da Jambô na Bienal do Livro do Rio.
- Marque presença no evento clicando aqui.

SÃO PAULO
12 de setembro, às 19h, na Geek.etc.br do Conjunto Nacional (Avenida Paulista, 2.073).

CURITIBA
13 de setembro, às 19h, na Nerdz (Rua Presidente Carlos Cavalcanti, 900).

PORTO ALEGRE
15 de setembro, às 18h, na Nerdz (Rua Sarmento Leite, 627).

CAMPO GRANDE
18 de setembro, às 19h, na Leitura (Shopping Campo Grande).

Sobre o livro A Joia da Alma
Nada pode apagar o passado.
Um aventureiro veterano, Christian está prestes a completar uma última jornada, que lhe permitirá se aposentar em paz. Mas tudo dá errado quando o passado volta para assombrá-lo.
Agora, Christian e seus companheiros, um mago aberrante e uma menina selvagem, terão que cruzar o Reinado de Arton em busca de um poderoso artefato. Mas eles não são os únicos nessa jornada: Verônica e seu grupo se mostram rivais à altura e parecem estar sempre um passo à frente.
Chegou o momento de revirar o passado e abrir antigas feridas. Afinal, fugir de si mesmo é negar os próprios deuses. Não que Christian ligue para isso.
A Joia da Alma é o mais novo romance de Tormenta, o maior universo de fantasia do Brasil. Uma história sobre heróis relutantes, erros do passado e busca pela redenção. E sobre uma ameaça que pode destruir todo o mundo de Arton.
Gênero: literatura fantástica, 384 páginas.
Saiba mais em: http://jamboeditora.com.br/6177/joia-da-alma-o-novo-romance-de-tormenta/
Sobre a autora
Karen nasceu em Assaí/PR, cresceu em Campo Grande/MS, morou em diversas cidades e hoje vive em Halifax, no Canadá. É famosa por sua série de livros Crônicas de Myríade e seu canal no Youtube, onde publica vídeos do Papo Pop e podcasts do Papo de Autor. Karen é formada em Publicidade e Propaganda e pós-graduada em Comunicação: linguagens, construção textual e literatura. Já ilustrou livros e revistas, desenvolveu jogos para celular, fundou uma empresa e recebeu o Troféu Cecília Meireles por sua contribuição cultural ao país. Estará presente no tour de lançamento do livro.
Site da autora: www.karensoarele.com.br
Canal no Youtube: www.youtube.com/karensoarele

sábado, 2 de setembro de 2017

{Lançamento} Muito G Power no novo lançamento da Qualis Editora

Título: Princesas GPower
Edição: 1
Editora: Qualis
ISBN: 9788568839713
Ano: 2017
Páginas: 370
Sinopse: Uma estudante de medicina encontra o amor verdadeiro. Uma jovem órfã descobre que seus pais estão vivos. Uma moça com medo do mar se arrisca em um cruzeiro. Uma garota acha o seu lugar em uma nova cidade. Estar acima do peso não impede essas protagonistas fortes e empoderadas de viverem aventuras incríveis, dignas dos mais belos contos de fadas. Kai, Rosa, Cindy e Malena são verdadeiras princesas de suas próprias histórias, merecedoras de príncipes encantados, bailes, mistérios e sapatos de cristal. Com tramas leves e divertidas, Janaina Rico, Larissa Siriani, Mila Wander e Thati Machado mostrarão que existe apenas uma regra para sermos verdadeiras princesas: temos que nos permitir um felizes para sempre.

Lançamento Oficial: Bienal do Rio, dia 09/09 às 16h, no estande da Qualis Editora no Pavilhão Azul, F1/G2.

Links de venda: